1. Quando o Senhor teu Deus te tiver introduzido na terra, de que vais tomar posse, e tiver exterminado diante de ti muitas nações, o Heteu, o Gergeseu, o Amorreu, o Cananeu, o Fereseu o Heveu, e o Jebuseu, sete nações muito mais numerosas e mais fortes do que tu,

2. quando o Senhor teu Deus tas tiver entregado, tu as combatarás até ao extermínio, não farás aliança com elas, nem as tratarás com compaixão. (ver nota)

3. Não contrairás com elas matrimônios, não darás tua filha a seu filho, nem tomarás sua filha para teu filho,

4. porque ela seduzirá o teu filho para que me não siga, mas sirva antes a deuses estranhos, e o furor do Senhor se acenderá, e te destruirá logo.

5. Antes ao contrário fareis assim: Deitai abaixo os seus altares, quebrai as estátuas, cortai os Ascherim, queimai as esculturas. (ver nota)

6. Com efeito tu és um povo consagrado ao Senhor teu Deus. O Senhor teu Deus te escolheu para seres um povo particular, entre todos os povos que há na terra.

7. Não (foi) porque excedêsseis em número todas as nações, que o Senhor se uniu a vós e vos escolheu, pois vós sois o mais pequeno de todos os povos,

8. mas foi porque o Senhor vos amou e guardou o juramento que tinha feito a vossos pais; por isso vos tirou com mão poderosa, e vos resgatou da casa da escravidão, do poder de Faraó, rei do Egipto.

9. Saberás que o Senhor teu Deus é o Deus forte e fiel, que guarda o seu pacto e a sua misericórdia até mil gerações com aqueles que o amam e observam os seus preceitos,

10. e que castiga prontamente os que o aborrecem de modo a exterminá-los, sem demora, dando-lhes na cara imediatamente o que merecem.

11. Guarda, pois, os preceitos, cerimônias e ordenações, que eu hoje te mando observar.

12. Se, depois de teres ouvido estas ordenações, as guardares e praticares, também o Senhor teu Deus guardará a teu respeito o pacto e a misericórdia que jurou a teus pais.

13. Amar-te-á, multiplicar-te-á e abençoará o fruto do teu ventre, o fruto da tua terra, o teu trigo, o teu vinho novo, o teu azeite, as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas, na terra que ele jurou a teus pais dar-te.

14. Serás bendito entre todos os povos. Não haverá no meio de ti quem seja estéril de um nem de outro sexo, nem entre os homens nem entre os teus rebanhos.

15. O Senhor afastará de ti todas as doenças; não fará cair sobre ti, mas sobre os teus inimigos, as terríveis pragas do Egipto, que tu conheces.

16. Devorarás todos os povos, que o Senhor teu Deus está para te entregar. Não os pouparão teus olhos, e não servirás aos seus deuses, para que não venham a ser causa da tua ruína.

17. Se disseres no teu coração: Estas nações são mais numerosas do que eu, como poderei eu extingui-las?

18. — não as temas, mas lembra-te do que o Senhor teu Deus fez a Faraó e a todos os Egípcios,

19. das grandíssimas pragas que os teus olhos viram, dos milagres, dos prodígios, da mão poderosa e do braço estendido, com que o Senhor teu Deus, te tirou para fora: o mesmo fará ele a todos os povos que tentes.

20. Além disso o Senhor teu Deus mandará vespas contra eles, até destruir e exterminar todos os que tiverem fugido ou tiverem podido esconder-se,

21. Não os temerás, porque o Senhor teu Deus está no meio de ti, Deus grande e terrível.

22. Ele mesmo destruirá estas nações diante de ti, pouco a pouco. Tu não as poderás destruir a um tempo, a fim de que se não multipliquem contra ti as feras da terra.

23. O Senhor teu Deus os dará em teu poder, e lançará grande consternação no meio deles até que todos sejam destruídos.

24. Entregará nas tuas mãos os seus reis, e farás perecer os seus nomes de debaixo do céu. Ninguém te poderá resistir, até que os tenhas reduzido a pó.

25. Queimarás no fogo as suas esculturas: não cobiçarás a prata nem o ouro de que são feitas, nem delas tomarás nada para ti, para que não tropeces, visto serem a abominação do Senhor teu Deus.

26. E não levarás para a tua casa qualquer coisa abominável, para que te não tornes anátema, como ela. Detestá-la-ás como imundície, abominá-la-ás como coisa imunda e sórdida, porque é um anátema.





“A ingenuidade e’ uma virtude, mas apenas ate certo ponto; ela deve sempre ser acompanhada da prudência. A astúcia e a safadeza, por outro lado, são diabólicas e podem causar muito mal.” São Padre Pio de Pietrelcina