1. Catorze anos depois, subi novamente a Jerusalém com Barnabé, tomando também comigo a Tito.

2. Subi, em consequência de uma revelação; conferi com eles o Evangelho que prego entre os gentios e (conferi) particularmente com aqueles que eram de maior consideração, a fim de não correr ou de não ter corrido inutilmente.

3. Ora nem mesmo Tito, que estava comigo, sendo grego, foi obrigado a circuncidar-se,

4. e isto por causa dos falsos irmãos, que se intrometeram a espiar a liberdade, que temos em Jesus Cristo, para nos reduzirem à escravidão (querendo obrigar-nos à observância dos ritos mosaicos).

5. Aos quais, nem um só instante, cedemos, para que permaneça entre vós a verdade do Evangelho.

6. Quanto porém àqueles que tinham grande autoridade, (quais tenham sido noutro tempo, não me importa, pois Deus não faz acepção de pessoas) esses, digo, que tinham grande autoridade, nada me impuseram. (ver nota)

7. Antes pelo contrário, tendo visto que me tinha sido confiado o Evangelho para os não circuncidados, como a Pedro para os circuncidados,

8. (porque quem fez de Pedro o Apóstolo dos circuncidados, também fez de mim o Apóstolo dos gentios)

9. e tendo reconhecido a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram considerados as colunas (da Igreja), deram as mãos a mim e a Barnabé, em sinal de comunhão, para que fôssemos aos gentios, e ele aos circuncidados,

10. (recomendando) somente que nos lembrássemos dos pobres (da Judeia); o que eu fui solícito em cumprir.

11. Mas, tendo vindo Cefas a Antioquia, eu lhe resisti na cara, porque merecia repreensão,

12. pois que antes que chegassem alguns de Tiago, ele comia com os gentios, mas, depois que chegaram, retirava-se e separava-se (dos gentios), com receio dos que eram circuncidados.

13. Os outros judeus imitaram-no na sua dissimulação, de sorte que até Barnabé foi induzido por eles àquela simulação.

14. Porém eu, tendo visto que eles não andavam direitamente, segundo a verdade do Evangelho, disse a Cefas, diante de todos: "Se tu, sendo judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a judaizar?"

15. Nós somos judeus, por nascimento, e não pecadores dentre os gentios.

16. Mas, como sabemos que o homem não se justifica pelas obras da lei, senão pela fé em Jesus Cristo, por isso também nós cremos em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo e não pelas obras da lei; porquanto nenhum homem será justificado pelas obras da lei.

17. Mas se nós, procurando ser justificados em Cristo, somos também encontrados na classe dos pecadores, é porventura Cristo ministro do pecado? Certo que não.

18. Em realidade, se eu torno a edificar o que destruí, faço-me prevaricador,

19. porque, pela (doutrina da própria) lei, estou morto para a lei, a fim de viver para Deus. Estou pregado com Cristo na cruz;

20. vivo, mas já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim. A vida (sobrenatural) com que vivo agora na carne, vivo-a da fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.

21. Eu não menosprezo a graça de Deus. Com efeito, se a justiça se obtém pela (observância da) lei, segue-se que Cristo morreu em vão.





“Seja grato e beije docemente a mão de Deus. É sempre a mão de um pai que pune porque lhe quer bem” São Padre Pio de Pietrelcina