1. O Senhor falou a Moisés, dizendo:

2. Fala a Aarão e aos seus, filhos, e a todos os filhos de Israel e dize-lhes: Eis o que o Senhor ordenou:

3. Qualquer homem da casa de Israel que matar um boi, ou uma ovelha, ou uma cabra nos acampamentos ou fora dos acampamentos,

4. sem os apresentar à porta do tabernáculo, em oferta ao Senhor, será réu de sangue; e, como tendo derramado sangue, será eliminado do seu povo.

5. Por isso os filhos de Israel devem apresentar ao sacerdote as suas vítimas, que matam no campo, para que sejam consagradas ao Senhor diante da porta do tabernáculo da reunião, e eles as ofereçam ao Senhor em sacrifício pacífico.

6. O sacerdote derramará o seu sangue sobre o altar do Senhor à porta do tabernáculo da reunião, e queimará a gordura em odor de suavidade ao Senhor.

7. Nunca mais imolarão as suas hóstias aos demônios, aos quais idolatraram. Esta será uma lei eterna para eles e para os seus descendentes.

8. Tu lhes dirás: O homem da casa de Israel e de entre os estrangeiros que habitam entre vós, que oferecer um holocausto ou uma vítima,

9. e não a levar à porta do tabernáculo da reunião, para ser oferecida ao Senhor, será eliminado do seu povo.

10. Qualquer homem da casa de Israel ou de entre os estrangeiros que peregrinam entre eles, se comer sangue, voltarei o meu rosto contra ele, e exterminá-lo-ei do meio do seu povo,

11. porque a vida da carne está no sangue, e eu dei-o a vós, para que com ele façais expiações sobre o altar pelas vossas almas: o sangue expia, por ser vida. (ver nota)

12. Por isso disse aos filhos de Israel: Nenhum de vós comerá sangue, nem nenhum dos estrangeiros, que moram entre vós.

13. Se algum homem dos filhos de Israel ou dos estrangeiros que habitam entre vós tomar à caça ou ao laço um animal ou ave, daquelas que é lícito comer, derrame o seu sangue, e cubra-o com terra,

14. porque a vida de toda a carne está no sangue. Por isso disse aos filhos de Israel: Não comereis o sangue de nenhum animal, porque a vida da carne está no sangue; todo o que comer dele, será posto fora.

15. Qualquer, tanto dos naturais como dos estrangeiros, que comer dum animal morto, por si, ou dilacerado por uma fera, lavará as suas vestes e o seu corpo em água, e será impuro até à tarde; deste modo se purificará.

16. Se não lavar as suas vestes e o seu corpo, lavará a sua iniquidade.





“Esforce-se, mesmo se for um pouco, mas sempre…” São Padre Pio de Pietrelcina