1. O coração do rei está na mão do Senhor como a água corrente; ele o inclinará para qualquer parte que quiser.

2. Todo o caminho do homem lhe parece, a ele próprio. direito; o Senhor porém pesa os corações.

3. Fazer misericórdia e justiça é mais agradável ao Senhor do que o.s sacrifícios (materiais).

4. A soberba do coração torna altivos os olhos; o luzeiro dos impios é o pecado.

5. Os pensamentos do homem diligente produzem sempre abundância; todo o precipitado, porém, está sempre na pobreza.

6. Juntar tesouros cora uma língua de mentira é desatinada vaidade e laço de morte. As rapinas dos ímpios levá-los-ão à sua ruína, porque não quiseram praticar a justiça.

8. O caminho do perverso é um caminho desviado, mas, quando o homem é puro, são rectas as suas obras.

9. Melhor é estar assentado a um canto do terraço, do que habitar com uma mulher litigiosa.

10. A alma do Impio deseja o mal; não se compadecerá do seu próximo.

11. Com o castigo do corrupto ficará mais sábio o inexperiente; se se adverte o homem sábio, adquirirá mais ciência.

12. O Justo reflecte maduramente sobre a casa do ímpio, e precipita os maus na desventura.

13. Aquele que fecha os ouvidos ao clamor do pobre, esse mesmo também clamará e não será ouvido.

14. Um presente secreto extingue as iras; e a dádiva oferecida às ocultas, aplaca a maior indignação.

15. O justo encontra a sua alegria na prática da justiça; porém os que cometem a iniquidade, estão em (continuo) susto.

16. O homem que se extraviar do caminho da sabedoria terá por morada a assembleia dos mortos.

17. Aquele que ama a alegria (na intemperança), parará na indigência; o que ama o vinho e os perfumes, não enriquecerá.

18. O ímpio é entregue (à expiação) em lugar do justo, e o iníquo em lugar dos rectos. (ver nota)

19. Melhor é habitar numa terra deserta, do que com uma mulher litigiosa e colérica.

20. Na casa do justo há tesouro precioso e azeite (aromatizado); porém um insensato dissipará tudo.

21. Aquele que exerce a justiça e a misericórdia, achará vida, justiça e glória. O sábio tornou-se senhor da cidade dos valentes, e destruiu a fortaleza em que ela confiava.

23. Aquele que guarda a sua boca e a sua língua, preserva a sua alma de angústias.

24. O soberbo e presumido é chamado petulante, porque procede com excesso de insolência.

25. Os desejos matam o preguiçoso, porque as suas mãos não querem fazer nada;

26. passa todo o dia a desejar com ardor, mas o que é justo dá (aos outros) largamente. O sacrifício dos ímpios é abominável, sobretudo quando o oferecem com má intenção.

28. A testemunha mentirosa perecerá; o homem que escuta, falará com constância.

29. O ímpio mostra no seu rosto uma segurança desavergonhada; porém o que é recto corrige o seu caminho.

30. Não há sabedoria, não há prudência. Deus. não há conselho (que prevaleça) contra o Senhor.

31. Prepara-se o cavalo para o dia da batalha; mas o Senhor é quem dá a vitória.





“A caridade é o metro com o qual o Senhor nos julgará.” São Padre Pio de Pietrelcina