1. Salmo. De Asaf. Quão bom é Deus para com os rectos, o Senhor para com os puros de coração!

2. Os meus pés por pouco não vacilaram; por pouco se não transviaram os meus passos, (ver nota)

3. porque tive inveja dos ímpios, ao observar a prosperidade dos pecadores.

4. Porque eles não têm sofrimentos, são e gordo anda o seu corpo.

5. Não participam (pelo menos aparentemente) dos trabalhos dos mortais, nem como os outros são flagelados.

6. Pelo que os cinge a soberba como um colar, e envolve-os a violência como um vestido.

7. Brota a iniquidade do seu crasso coração, trasbordam as ficções da sua mente.

8. Zombam e falam com maldade, altivos ameaçam opressões.

9. Abrem a sua boca contra o céu, e a sua língua arrasta-se pela terra.

10. Por isto o meu povo se volta para eles, e sorve das suas águas abundantes.

11. Chegam a dizer; "Porventura Deus sabe isto, tem disto notícia o Altíssimo?"

12. Eis como são os pecadores, e, (contudo) sempre tranquilos, aumentam a sua fortuna.

13. Foi portanto inutilmente que conservei puro o meu coração, e lavei na inocência as minhas mãos?

14. Pois sou flagelado a toda a hora e castigado todo o dia.

15. Se eu pensasse: "Hei-de falar com eles," seria um desertor da raça dos teus filhos.

16. Reflectia pois para compreender isto; pareceu-me porém coisa bastante difícil,

17. até que entrei no santuário (íntimo) de Deus, e atendi ao fim de todos eles.

18. Na verdade, é sobre caminhos escorregadios que os colocas, precipita-los na ruína. (ver nota)

19. Oh! como tombara num momento, acabaram, foram consumidos de espantoso terror!

20. Como um sonho, ao despertar, Senhor, assim, quando te Levantas, desprezarás a sua aparência.

21. Quando se exasperava o meu espírito, e o meu coração se sentia aguilhoado.

22. eu era um insensato e não compreendia, fui diante de ti como um jumento.

23. Todavia, não; estarei sempre contigo: tomaste-me pela minha mão direita,

24. Hás-de guiar-me com teu conselho, e por fim hás-de receber-me na tua glória.

25. Quem tenho eu, lá no céu, fora de ti? e, se estou contigo, a terra não me deleita.

26. Desfalece a minha carne e o meu coração; o rochedo do meu coração e a minha herança é Deus para sempre.

27. Com efeito, os que se apartam de ti perecerão, aniquilas todos os que te são infiéis.

28. Mas para mim é bom estar junto de Deus, pôr no Senhor Deus o meu refúgio. Publicarei todas as tuas obras às portas da filha de Sião.





“Onde não há obediência, não há virtude. Onde não há virtude, não há bem, não há amor; e onde não há amor, não há Deus; e sem Deus não se chega ao Paraíso. Tudo isso é como uma escada: se faltar um degrau, caímos”. São Padre Pio de Pietrelcina