1. Palavras do Eclesiaste, filho de Davide, rei de Jerusalém.

2. Vaidade de vaidades, diz o Eclesiaste, vaidade de vaidade, tudo é vaidade!

3. Que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do sol?

4. Uma geração passa, outra geração lhe sucede, mas a terra permanece sempre estável.

5. O sol nasce e põe-se, corre ao seu lugar, donde volta a nascer. (ver nota)

6. O vento dirige o seu giro para o meio-dia, depois declina para o norte; corre, visitando tudo em roda, e volta a começar (depois) os seus circuitos.

7. Todos os rios entram no mar, e o mar nem por isso trasborda; os rios voltam ao mesmo lugar donde saíram, para tornarem a correr.

8. Todas as coisas se afadigam, mais do que se pode dizer. O olho não se farta de ver, nem o ouvido se cansa de ouvir (sempre as mesmas coisas).

9. Que é o que foi? O mesmo que há-de ser. Que é o que se fez? O mesmo que se há-de fazer.

10. Não há nada novo debaixo do sol, e ninguém pode dizer; Eis aqui está uma coisa nova, porque ela já existiu nos séculos que passaram antes de nós.

11. Não há memória das coisas antigas, mas também não haverá memória das coisas que hão-de suceder depois de nós, entre aqueles que viverão mais tarde.

12. Eu, o Eclesiaste, fui rei de Israel em Jerusalém,

13. e propus no meu coração inquirir e investigar sàbiamente todas as coisas que se fazem debaixo dos céus: Deus deu esta penosa ocupação aos filhos dos homens, para que se dedicassem a ela.

14. Vi tudo o que se faz debaixo do sol, e achei que tudo era vaidade e a aflição de espírito.

15. O torto não se pode endireitar e o que falta não se pode contar. (ver nota)

16. Eu disse no meu coração: Eis que cheguei a ser grande, que excedi em sabedoria a todos os que antes de mim houve em Jerusalém; o meu espirito possuiu largamente a sabedoria e a ciência.

17. Apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria, a loucura, os desvarios, e reconheci que ainda isto é aflição de espírito,

18. porque na muita sabedoria há muita amargura, e o que aumenta a sua ciência, também aumenta o seu sofrimento.





“O medo excessivo nos faz agir sem amor, mas a confiança excessiva não nos deixa considerar o perigo que vamos enfrentar”. São Padre Pio de Pietrelcina