1. No ano duodécimo de Acaz, rei de Judá, Oséias, filho de Ela, reinou em Samaria sobre Israel durante nove anos.

2. Fez o mal diante do Senhor, mas não tanto como os reis de Israel que o tinham precedido.

3. Contra ele marchou Salmanasar, rei dos Assírios, e Oséias ficou sendo seu vassalo e pagou-lhe tributo.

4. Mas, tendo o rei dos Assírios descoberto que Oséias, tentando rebelar-se, tinha mandado mensageiros a Sua, rei do Egipto, para não pagar os tributos no rei dos Assírios, como todos os anos costumava, cercou-o, e, depois de preso, meteu-o numa prisão,

5. (Salmanasar) fez correrias por rodo o país, e chegando a Samaria, sitiou-a durante três anos.

6. No ano nono de Oséias, o rei dos Assírios tomou Samaria, transportou os Israelitas para a Assíria e pô-los em Haia e em Abor, cidades dos Medos, perto do rio Gozan.

7. Sucedeu que, tendo os filhos de Israel pecado contra o Senhor seu Deus, que os tinha tirado da terra do Egipto, do poder de Faraó, rei do Egipto, adoraram deuses estranhos.

8. Caminharam segundo os costumes das gentes que o Senhor tinha exterminado diante dos filhos de Israel, e (segundo os costumes) dos reis de Israel, que tinham feito o mesmo.

9. Os filhos de Israel ofenderam o Senhor seu Deus, com acções más, e edificaram para si (altares nos) lugares altos em todas as suas cidades, desde as torres de guarda até às cidades fortes.

10. Fizeram para si estátuas e ascherim sobre rodos os mais altos outeiros e debaixo de todas as árvores frondosas:

11. ali queimavam incenso sobre os altares, à maneira das gentes, que o Senhor tinha levado para longe, da sua presença; praticaram acções criminosíssimas, irritaram o Senhor,

12. adorando ídolos que o Senhor expressamente lhes tinha proibido de fazer.

13. O Senhor tinha protestado em Israel e em Judá por meio de todos os seus profetas e videntes, dizendo: Voltai dos vossos caminhos corrompidos, guardai os meus preceitos e cerimônias, conforme todas as leis, que eu prescrevi a vossos pais, e do mesmo modo que vo-lo tenho declarado pelos profetas, meus servos.

14. Eles não o quiseram ouvir, mas endureceram a sua cerviz, como a cerviz de seus pais, que não quiseram obedecer ao Senhor, seu Deus.

15. Rejeitaram as suas leis e o pacto que tinha feito com seus pais, desprezaram as advertências, que lhes tinha feito, e correram atrás das vaidades, tornando-se eles próprios vaidades, e seguiram as nações, de que estavam rodeados, acerca das quais o Senhor lhes tinha ordenado que não fizessem como elas faziam.

16. Abandonaram todos os preceitos do Senhor seu Deus e fizeram para si dois bezerros fundidos e aschera, adoraram todos os astros do céu, serviram a Baal,

17. consagraram seus filhos e suas filhas por meio do fogo. entregaram-se a adivinhações e agouros, abandonaram-se a fazer o mal diante do Senhor, provocando a sua ira.

18. O Senhor indignou-se sobremaneira contra os israelitas e rejeitou-os de diante da sua face. Não ficou senão a tribo de Judá,

19. mas nem essa mesma tribo de Judá guardou os mandamentos do Senhor seu Deus, antes andou nos erros que Israel tinha praticado.

20. O Senhor abandonou toda a linhagem de Israel, afligiu-os e deu-os em presa aos que os saqueavam, até que os rejeitou (inteiramente) da sua presença.

21. Israel tinha-se separado da casa de Davide e tinha constituído por seu rei a Jeroboão, filho de Nabat, que separou Israel do Senhor e lhe fez cometer o grande pecado (da idolatria).

22. Os filhos de Israel andaram em todos os pecados que Jeroboão tinha cometido, não se apartaram deles,

23. até que por fim o Senhor repeliu Israel de diante da sua face, como tinha predito por meio de todos os profetas seus servos. Israel foi transportado do seu país para a Assíria, até ao dia de hoje.

24. O rei dos Assírios mandou vir gente de Babilônia, de Cuta, de Ava, de Emat e de Sefarvaim, e pô-los nas cidades da Samaria, em lugar dos filhos de Israel, e essa gente possuiu a Samaria e habitou nas suas cidades.

25. Quando começaram a habitar nelas, não temiam o Senhor, mas o Senhor mandou contra eles leões, que os matavam.

26. Avisaram o rei dos Assírios, dizendo: Os povos que tu transferiste, que mandaste habitar nas cidades da Samaria, ignoram o culto do Deus do país, e o Senhor mandou contra eles leões, que os matam, porque não sabem o culto do Deus daquela terra.

27. O rei dos Assírios ordenou: Mandai para Samaria um dos sacerdotes, que vós de lá trouxestes cativos, e vá, habite com eles e lhes ensine o culto do Deus daquela terra.

28. Tendo, pois, ido um dos sacerdotes, que tinham sido levados cativos da Samaria, habitou em Betei e ensinava-lhes o modo como deviam honrar o Senhor.

29. Apesar disso, cada um destes povos fabricou para si os seus deuses, que colocou nos templos dos lugares altos, que os Samaritanos tinham edificado; cada povo colocou os seus deuses na cidade em que habitava.

30. Os Babilônios fizeram Socotbenot, os Cuteus fizeram Nergel, os de Emat fizeram Asima,

31. os Heveus fizeram Nebanz e Tartac, e os de Sefarvaim queimavam os seus filhos em honra de Adramelec e de Anamelec, deuses de Sefarvaim.

32. Todavia também adoravam o Senhor, e constituíram, de entre o povo, sacerdotes dos seus lugares altos, os quais ofereciam sacrifícios nos templos dos lugares altos.

33. Embora adorassem o Senhor, serviam também aos seus deuses, segundo o costume das nações, do meio das quais tinham sido transferidos para Samaria.

34. Ainda hoje seguem o antigo costume. Não temem o Senhor, nem observam as suas cerimônias, nem ordenações, nem leis, nem os preceitos que o Senhor tinha intimado aos filhos de Jacob, a quem deu o sobrenome de Israel.

35. O Senhor tinha feito com eles aliança e lhes tinha dado esta ordem; Não temais os deuses estrangeiros, não os adoreis, não os sirvais, não lhes sacrifiqueis,

36. mas temei ao Senhor vosso Deus, que vos tirou da terra do Egipto com grande poder e com braço estendido: a ele adorai e a ele oferecei sacrifícios.

37. Observai também as cerimônias, as ordenações, as leis e os preceitos, que ele vos deu por escrito, observando-os todos os dias, e não tenhais medo dos deuses estrangeiros.

38. Não vos esqueçais da aliança que ele fez convosco, nem presteis culto a deuses estrangeiros,

39. mas temei ao Senhor, vosso Deus, e ele vos livrará do poder de todos os vossos inimigos.

40. Eles, porém, não deram ouvidos (a isto), mas procederam segundo o seu antigo costume.

41. Assim estes povos perseveraram em temer ao Senhor, mas serviram também os seus ídolos. Tanto seus filhos como seus netos ainda hoje fazem como fizeram seus pais.





“Deus quer que as suas misérias sejam o trono da Sua misericórdia.” São Padre Pio de Pietrelcina