1. José foi, pois, conduzido ao Egito, e Putifar Egípcio, eunuco de Faraó e general do exército, comprou-o aos Ismaelitas, que o tinham levado.

2. O Senhor era com ele, e tudo o que fazia lhe sucedia pròsperamente: habitava em casa do seu senhor,

3. o qual conhecia muito bem que o Senhor era com ele, o qual (Deus) fazia prosperar em suas mãos tudo o que José fazia.

4. José achou graça diante do Senhor, a quem prestava serviço: tendo recebido dele a superintendência de todas as coisas, governava a casa que lhe tinha sido confiada, e tudo o que lhe fora entregue.

5. O Senhor abençoou a casa do Egípcio, por causa de José, e multiplicou todos os seus bens, tanto em casa como no campo.

6. (Putifar) não tinha outro cuidado que pôr-se à mesa a comer. José era de rosto formoso e aspecto gentil.

7. Pelo que, passados muitos dias, lançou sua senhora os olhos sobre José e disse: Dorme comigo.

8. Mas de, não consentindo de modo algum na execrável acção, disse-lhe: Se o meu Senhor, tendo entregue tudo nas minhas mãos, não pede contas do que tem em sua casa,

9. e nada há que não esteja em meu poder, ou que me não tenha sido confiada, excepto tu, que és sua mulher, como posso eu cometer esta maldade, e pecar contra o meu Deus? (ver nota)

10. Ainda que, todos os dias, a mulher falasse (no mesmo assunto) ao jovem, ele recusava estar com ela.

11. Mas aconteceu que, um dia, entrando José em casa, para fazer o seu serviço, sem que ninguém o visse,

12. ela, segurando-o pela orla do seu vestido, disse-lhe: Dorme comigo. Mas ele, deixando a capa na sua mão, fugiu e saiu para fora.

13. A mulher, vendo a capa na suas mãos, e (vendo) que era desprezada,

14. chamou a si a gente da casa e disse: Vede, trouxe-nos este homem hebreu para zombar de nós; veio ter comigo para me seduzir, e, tendo eu gritado,

15. ele, ao ouvir a minha voz, deixou a capa, em que eu pegava, e fugiu para fora.

16. Em prova da sua fidelidade mostrou ao marido, quando ele voltou para casa, a capa com que tinha ficado,

17. e disse: Aquele servo hebreu, que trouxeste, veio ter comigo para abusar de mim:

18. porém, ouvindo-me gritar, deixou a capa, em que eu pegava, e fugiu para fora.

19. Ao ouvir isto, o senhor, demasiado crédulo nas palavras da mulher, irou-se em extremo

20. e lançou José no cárcere, onde estavam detidos os presos do rei, e ali ficou ele encarcerado.

21. O Senhor, porém, foi com José; compadecido dele, fê-lo encontrar graça diante do governador da prisão,

22. o qual confiou à sua vigilância todos os presos que estavam no cárcere: tudo o que se fazia, era feito por sua ordem.

23. Nem sequer (o governador) tomava conhecimento de coisa alguma, depois que lhe confiou tudo, porque o Senhor era com ele e fazia prosperar todas as suas obras.





O maldito “eu” o mantém apegado à Terra e o impede de voar para Jesus. São Padre Pio de Pietrelcina