1. Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos da Dispersão, saúde. (ver nota)

2. Meus irmãos, tende por um motivo da maior alegria toda a espécie de tribulações que vos afligem,

3. sabendo que a prova da vossa fé produz a constância.

4. Mas a constância faz obras perfeitas, a fim de que sejais perfeitos, completos, não faltando em coisa alguma.

5. Se algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não lança em rosto, e ser-lhe-á concedida.

6. Mas peça-a com fé, sem nada hesitar, porque aquele que hesita é semelhante à onda do mar, agitada e levada de uma parte para a outra pelo vento.

7. Não pense, pois, tal homem que receberá do Senhor alguma coisa.

8. O homem de espírito duplo é inconstante em todos os seus caminhos.

9. O irmão que é de condição baixa, glorie-se da sua exaltação (ao cristianismo);

10. pelo contrário o rico (glorie-se, não da sua riqueza, mas) da sua humilhação (diante de Deus), porque ele passará como a flor da erva.

11. O sol rompeu ardente: secou a erva e a flor cai, perde a gala do seu aspecto. Assim também murchará o rico nos seus caminhos. (ver nota)

12. Bem-aventurado o homem que sofre (com paciência) a provação, porque, depois que tiver sido provado, receberá a coroa da vida, que Deus prometeu aos que o amam.

13. Ninguém, quando é tentado, diga que é tentado por Deus, porque Deus não é tentador de coisas más; não tenta ninguém.

14. Cada um é tentado pela sua própria concupiscência, que o atrai e alicia;

15. depois a concupiscência, quando conceber, dá à luz o pecado; o pecado, quando tiver sido consumado, gera a morte.

16. Não queirais, pois, enganar-vos, irmãos meus muito amados.

17. Toda a dádiva excelente, todo o dom perfeito vem do alto e desce do Pai das luzes, no qual não há mudança, nem sombra de vicissitude.

18. Por sua vontade nos gerou pela palavra da verdade, a fim de que sejamos como que as primícias das suas criaturas.

19. Sabei isto, meus dilectíssimos irmãos: todo o homem seja pronto para ouvir, porém tardo para falar e tardo para se irar,

20. porque a ira do homem não cumpre a justiça de Deus.

21. Pelo que, renunciando a toda a impureza e abundância de malícia, recebei com mansidão a palavra enxertada em vós, a qual pode salvar as vossas almas.

22. Sede, pois, realizadores da palavra, e não ouvintes sòmente, enganando-vos a vós mesmos.

23. Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não realizador, será comparado a um homem que contempla num espelho o seu rosto nativo;

24. apenas se contemplou, e, tendo-se retirado, logo esqueceu como era.

25. Mas quem fixar a sua vista na (doutrina do Evangelho que é a) lei perfeita da liberdade e perseverar nela, não sendo ouvinte esquecediço, mas executor da obra, esse será bem-aventurado no que fizer.

26. Se alguém, pois, julga que é religioso, não refreando a sua língua, mas seduzindo o seu coração, a sua religião é vã.

27. A religião pura e sem mácula aos olhos de Deus e nosso Pai é esta: visitar os órfãos e as viúvas, nas suas tribulações, e conservar-se (cada um) puro de toda a mancha deste mundo. (ver nota)





“Tente percorrer com toda a simplicidade o caminho de Nosso Senhor e não se aflija inutilmente.” São Padre Pio de Pietrelcina