1. Eis o que farás também para que me sejam consagrados no sacerdócio. Toma um novilho da manada, dois carneiros sem mancha,

2. pães ázimos e uma torta sem fermento, que seja amassada com azeite, e filhós ázimas, untadas com azeite, tudo isto de flor de farinha de trigo.

3. Depois de as teres posto num cesto, as oferecerás; (oferecerás ao mesmo tempo) o novilho e os dois carneiros.

4. Farás aproximar Aarão e seus filhos da porta do tabernáculo do testemunho. Depois que tiveres lavado com água o pai e os seus filhos,

5. revestirás Aarão com as suas veste, isto é, com a túnica de linho, com o manto, com o éfode e com o peitoral que apertarás com o cíngulo.

6. Pôr-lhe-ás a tiara na cabeça, e sobre a tiara a lâmina santa.

7. Derramarás sobre a sua cabeça o óleo da unção, e com este rito será consagrado.

8. Farás também aproximar seus filhos, revesti-los-ás com túnicas de linho, e cingi-los-ás com o cíngulo.

9. Assim farás a Aarão e aos seus filhos, e lhes porás as mitras. Serão meus sacerdotes para um culto perpétuo. Depois que tiveres sagrado as suas mãos,

10. farás aproximar também o novilho diante do tabernáculo do testemunho, sobre cuja cabeça Aarão e seus filhos imporão as mãos.

11. Tu o degolarás na presença do Senhor, junto da porta do tabernáculo do testemunho.

12. Tendo tomado do sangue do novilho, o porás com o teu dedo sobre as pontas do altar, e o resto do sangue derramá-lo-ás ao pé dele.

13. Tomarás também toda a gordura que cobre as entranhas, o redanho do fígado, os dois rins e a gordura que está por cima deles, e oferecerás (tudo isto) queimando-o sobre o altar:

14. as carnes do novilho, o seu couro e os excrementos, queimá-los-ás fora do acampamento, por ser (uma hóstia) pelo pecado.

15. Tomarás também um carneiro, sobre a cabeça do qual Aarão e seus filhos porão as mãos.

16. Depois de o teres degolado, tomarás do seu sangue e derramá-lo-ás em torno do altar.

17. Depois cortarás o mesmo carneiro em pedaços, e, lavados os intestinos e os pés, os porás sobre as carnes despedaçadas e sobre a sua cabeça,

18. e oferecerás todo o carneiro, queimando-o sobre o altar. É uma oblação ao Senhor, de suave odor, é um sacrifício pelo fogo ao Senhor.

19. Tomarás ainda outro carneiro, sobre cuja cabeça Aarão e seus filhos porão as mãos.

20. Depois de o teres imolado, tomarás do seu sangue e pô-lo-ás na extremidade da orelha direita de Aarão e de seus filhos, e sobre os dedos polegares da sua mão direita e do seu pé direito, e derramarás o sangue ao redor do altar. (ver nota)

21. Tendo tomado do sangue que está sobre o altar, e do óleo da unção, aspergirás (com ele) Aarão e suas vestes, seus filhos e suas vestes. Depois de os teres sagrado e às suas vestes,

22. tomarás a gordura do carneiro e a cauda, a gordura que cobre as entranhas, o redanho do fígado, os dois rins, e a gordura que está em cima deles, e a espádua direita, porque este é o carneiro da sagração;

23. (tomarás) do cesto dos ázimos, que está diante do Senhor, um bolo de pão, uma torta amassada em azeite e uma filhó;

24. porás todas estas coisas sobre as mãos de Aarão e de seus filhos, e agitá-la-ás, elevando-as diante do Senhor.

25. Depois receberás todas estas coisas das suas mãos, e queimá-las-ás sobre o altar em holocausto, para cheiro suavíssimo diante do Senhor, porque é a sua oblação.

26. Tomarás também o peito do carneiro imolado para a sagração de Aarão, e agitá-lo-ás, elevando-o diante do Senhor: esta será a tua parte.

27. Santificarás também o peito consagrado e a espádua que separaste do carneiro.

28. imolado para a sagração de Aarão e de seus filhos: estas serão as porções de Aarão e de seus filhos por um direito perpétuo entre os filhos de Israel, porque são as primícias e as primeiras partes das vitimas pacíficas, que eles oferecem ao Senhor.

29. As vestes santas de que Aarão usar, tê-las-ão seus filhos depois dele, para que, vestidos com elas, sejam ungidos, e as suas mãos sejam consagradas.

30. Durante sete dias usará delas aquele de seus filhos que for constituído pontífice em seu lugar, e que entrar no tabernáculo do testemunho para ministrar no santuário.

31. Tomarás o carneiro da sagração, e cozerás as suas carnes no lugar santo;

32. Aarão e seus filhos as comerão. Comerão também à entrada do tabernáculo do testemunho os pães que estão no cesto,

33. para que seja um sacrifício propiciatório, e sejam sacrificadas as mãos dos oferentes. O estrangeiro não comerá deles, porque são coisas santas.

34. Porém, se sobrar das carnes consagradas, ou dos pães até pela manhã, queimarás no fogo o que restar: não se comerão (estas coisas), porque estão santificadas.

35. Farás tudo isto que te mandei relativo a Aarão e a seus filhos. Sagrarás as suas mãos, durante sete dias,

36. e oferecerás cada dia um novilho em expiação pelo pecado. Depois que tiveres imolado a hóstia da expiação, purificarás o altar e o ungirás para o santificar.

37. Durante sete dias purificarás o altar e o santificarás, e ele será santíssimo; todo o que o tocar será santificado.

38. Eis o que sacrificarás sobre o altar: Dois cordeiros de um ano todos os dias, perpetuamente,

39. um cordeiro de manhã e outro de tarde.

40. Com o primeiro cordeiro (oferecerás) uma décima parte (do eti) de flor de farinha amassada com uma quarta parte do hin de azeite de azeitonas pisadas, e uma libação de um quarto de hin de vinho.

41. Oferecerás de tarde o outro cordeiro com a mesma oblação e libação da manhã, em odor de suavidade.

42. Este é um sacrifício, que com um culto perpétuo por todas as vossas gerações se deve oferecer ao Senhor à entrada do tabernáculo do testemunho diante do Senhor, onde eu me encontrei para te falar,

43. De lá darei eu as minhas ordens aos filhos de Israel, e o altar será santificado com a minha glória. (ver nota)

44. Santificarei também o tabernáculo do testemunho e o altar, e Aarão com seus filhos, para que exerçam o meu sacerdócio.

45. Habitarei no meio dos filhos de Israel, serei o seu Deus,

46. e saberão que eu sou o Senhor seu Deus que os tirei da terra do Egipto para habitar entre eles, eu o Senhor seu Deus.





“Você teme um homem,um pobre instrumento nas mãos de Deus, mas não teme a justiça divina?” São Padre Pio de Pietrelcina