1. Deus de meus pais e Senhor de misericórdia, que fizeste tudo pela tua palavra,

2. e que estabeleceste o homem, pela tua sabedoria, para ter domínio sobre as criaturas, que por ti foram feitas,

3. para governar o mundo com equidade e justiça, para sentenciar em Juízo com rectidão do coração.

4. dá-me aquela sabedoria, que está sentada contigo no teu trono, e não me queiras excluir no número dos teus filhos porque eu sou servo teu, filho da tua escrava, sou um homem fraco e de pouca dura, e pouco capaz de compreender o juízo e as leis.

6. Ainda que alguém seja perfeito entre os filhos dos homens, se lhe faltar a tua sabedoria, será considerado como nada.

7. Escolheste-me para rei do teu povo, e para juiz dos teus filhos e filhas.

8. Mandaste-me edificar um templo sobre o teu santo monte, e um altar na cidade da tua habitação, conforme o modelo do teu santo tabernáculo, que preparaste desde o princípio.

9. Contigo está a sabedoria conhecedora das tuas obras, que se achou presente, quando formavas o universo, que sabe o que é agradável aos teus olhos, e o que é recto segundo os teus preceitos. (ver nota)

10. Envia-a dos teus santos céus, envia-a do trono da tua glória, para que esteja comigo, e comigo trabalhe, para que eu saiba o que te é agradável.

11. Ela sabe e compreende todas as coisas, e me guiará nas minhas obras com prudência, e me protegerá com a sua glória.

12. Assim ser-te-ão agradáveis as minhas obras, governarei o teu povo com justiça, e serei digno do trono de meu pai.

13. Com efeito, qual é o homem que pode conhecer os desígnios de Deus? Quem poderá penetrar o querer do Senhor? (ver nota)

14. Os pensamentos dos mortais são tímidos, e incertas as nossas concepções, (ver nota)

15. porque o corpo, que se corrompe, torna pesada a alma, e a morada terrestre oprime o espírito que pensa em muitas coisas.

16. Mal compreendemos o que há na terra, e com trabalho encontramos o que temos ao alcance das nossas mãos. Quem pode, pois, descobrir as coisas do céu?

17. E quem conheceu os teus desígnios, se tu lhe não deste a sabedoria, e se do mais alto dos céus não enviaste o teu santo Espírito?

18. Assim se tornaram direitas as veredas daqueles que estão na terra, e aprenderam os homens as coisas que te agradam,

19. e pela sabedoria foram salvos.





“De todos os que vierem pedir meu auxílio, nunca perderei nenhum!” São Padre Pio de Pietrelcina