1. O Senhor apareceu (a Abraão) na cadeia de Mambré, quando ele estava assentado à porta da sua tenda, no maior calor do dia.

2. Tendo (Abraão) levantado os olhos, apareceram-lhe três homens que estavam em pé junto dele; logo que os viu, correu da porta da tenda ao seu encontro e prostrou-se por terra,

3. dizendo-lhes: Senhor, se achei graça diante dos teus olhos, não passes (sem parar junto do) teu Servo;

4. trarei um pouco de água para lavar vossos pés, e descansai debaixo desta árvore:

5. servir-vos-ei um pedaço de pão, refareis as vossas forças e depois continuareis o vosso caminho, porque para isso viestes até junto do vosso servo. Eles responderam: faze como disseste.

6. Foi Abraão depressa à tenda de Sara e disse-lhe: amassa já três medidas de flor de farinha e faze cozer pães ao borralho.

7. Ele correu à manada, tomou um novilho dos mais tenros e melhores, e deu-o a um criado, o qual se apressou a cozê-lo.

8. Tomou também manteiga e leite, e o novilho cozido, e pôs (tudo) diante deles: enquanto comiam, estava de pé junto deles debaixo da árvore.

9. Então disseram-lhe: onde está Sara, tua mulher? Ele respondeu: está, ali, na tenda.

10. E (um deles) disse-lhe: tornarei, a vir ter contigo neste mesmo tempo no próximo ano, e Sara, tua mulher, terá um filho. Sara, ao ouvir isto, riu-se detrás da porta da tenda.

11. Ambos eram velhos, de idade avançada, e o que é ordinário às mulheres tinha cessado para Sara.

12. Ela, pois, riu-se secretamente, dizendo: depois que sou velha, e meu senhor avançado em anos, entregar-me-ei ao deleite?

13. Mas o Senhor disse a Abraão: Por que se riu Sara, dizendo: será verdade que eu possa dar à luz, sendo já velha?

14. Há porventura alguma coisa (que seja) difícil a Deus? Voltarei a ti, segundo a promessa feita, neste mesmo tempo no próximo ano, e Sara terá um filho.

15. Sara (cheia de medo) negou, dizendo: eu não me ri. Mas o Senhor disse: não é assim; tu riste-te.

16. Tendo-se, pois, levantado dali aqueles homens, dirigiram-se para Sodoma; Abraão ia com eles, acompanhando-os.

17. Senhor disse: acaso poderei eu ocultar a Abraão o que estou para fazer.

18. havendo de ser, como será, pai duma nação numerosíssima e poderosíssima, e havendo todas as nações da terra de ser benditas nele?

19. Escolhi-o, com efeito, para ordenar a seus filhos e à sua casa, depois dele, que guardem os caminhos do Senhor e que pratiquem a equidade e a justiça, para que o Senhor cumpra a favor de Abraão tudo o que lhe prometeu.

20. Disse, pois, o Senhor; o clamor de Sodoma e de Gomorra aumentou, e o seu pecado agravou-se extraordinariamente.

21. Descerei e verei se as suas obras correspondem ao clamor que chegou até mim; ou, se assim não é, para o saber.

22. Partiram dali e foram para Sodoma; mas Abraão estava ainda diante do Senhor.

23. Aproximando-se (dele), disse: perderás tu o justo com o impio?

24. Se houver cinquenta justos na cidade, perecerão todos juntos? E não perdoarás àquele lugar por causa de cinquenta justos, se aí os houver?

25. Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio, e o justo seja tratado com o ímpio. Longe isso de ti! Tu que julgas toda a terra, de nenhuma sorte farás tal juízo.

26. O Senhor disse-lhe: se eu achar no meio da cidade de Sodoma cinquenta justos, perdoarei por amor deles a toda a cidade.

27. Respondendo Abraão, disse: uma vez que comecei, falarei ao meu Senhor, ainda que eu seja pó e cinza.

28. Que sucederá, se faltarem cinco para os cinquenta justos? Destruirás toda a cidade, porque nela se acham sòmente quarenta e cinco? E (o Senhor) disse: não a destruirei, se achar nela quarenta e cinco.

29. (Abraão) continuou e disse-lhe: e se nela houver quarenta (justos), que farás tu? Não a castigarei, disse o Senhor, por amor dos quarenta.

30. Rogo-te, Senhor, diz (Abraão), que te não indignes, se eu (ainda continuo a) falar. Que farás tu, se lá houver trinta (justos)? Respondeu: se eu achar nela trinta, não farei (a sua destruição).

31. Visto que comecei, disse Abraão, falarei (ainda) ao meu Senhor. E se ali forem achados vinte? Respondeu: não a arruinarei por amor dos vinte.

32. Eu, te conjuro. Senhor, continuou Abraão, não te enfades, se eu te falar ainda uma vez: que será, se lá forem achados dez justos? E (o Senhor) disse: não a destruirei por amor dos dez.

33. O Senhor retirou-se, depois que cessou de falar com Abraão, e Abraão voltou para casa.





“A oração é a efusão de nosso coração no de Deus.” São Padre Pio de Pietrelcina