1. Num daqueles dias, estando Jesus no templo ensinando o povo e anunciando a boa nova, juntaram-se os príncipes dos sacerdotes e os escribas com os de Jesus, anciães,

2. e falaram-lhe neste termos: "Diz-nos com que direito fazes tu estas coisas, ou quem te deu tal autoridade?"

3. Jesus respondeu: "Também eu vos farei uma pergunta. Respondei-me:

4. O baptismo de João era do céu ou dos homens?"

5. Mas eles discorriam dentro de si: "Se dissermos: do céu, dirá: Por que razão pois, não creste nele?

6. Se dissermos dos homens, todo o povo nos apedrejará, porque está convencido que João era um profeta."

7. Responderam, pois, que não sabiam donde era.

8. Jesus, disse-lhes: "Nem eu vos direi com que autoridade faço estas coisas."

9. Começou a dizer ao povo esta parábola: "Um homem plantou uma vinha, arrendou-a a uns vinhateiros, e ausentou-se para longe durante muito tempo.

10. No tempo próprio, enviou um servo aos vinhateiros, para que lhe dessem a sua parte do fruto da vinha. Eles, porém, depois de lhe terem batido, reenviaram-no com as mãos vazias.

11. Tornou a enviar outro servo. Mas eles, tendo também batido neste, e carregando-o de afrontas, o despediram sem nada.

12. Tornou a enviar ainda terceiro. E eles, ferindo-o, deitaram fora também a este.

13. Disse então o senhor da vinha: Que hei-de fazer? Mandarei meu filho amado; talvez lhe guardarão respeito.

14. Mas, quando os vinhateiros o viram, discorreram entre si, dizendo: Este é o herdeiro, matemo-lo, e será nossa a herança.

15. E, lançando-o fora da vinha, mataram-no. Que lhes fará, pois, o senhor da vinha?

16. Virá e acabará de todo com aqueles vinhateiros, e dará a vinha a outros." Tendo eles ouvido isto, disseram: "Deus tal não permita !"

17. Jesus, olhando para eles, disse: "Pois que quer dizer isto que está escrito: A pedra que os edificadores desprezaram, tornou-se pedra angular? (Ps. 117, 22).

18. Todo o que cair sobre aquela pedra, será quebrado; e sobre quem ela cair, será esmagado."

19. Os príncipes dos sacerdotes e os escribas procuravam lançar-lhe as mãos naquela hora, mas temeram o povo. Compreenderam bem que esta parábola tinha sido dita contra eles.

20. Não o perdendo de vista, mandaram espias que se disfarçassem em homens de bem, para o apanharem no que dizia, a fim de o poderem entregar à autoridade e ao poder do governador.

21. Estes interrogaram-no, dizendo: "Mestre, sabemos que falas e ensinas rectamente, que não fazes acepção de pessoas, mas que ensinas o caminho de Deus com verdade.

22. É-nos permitido dar o tributo a César ou não ?"

23. Jesus, conhecendo a sua astúcia, disse-lhes:

24. "Mostrai-me um dinheiro. De quem é a imagem e a inscrição que tem ?" Responderam : "De César."

25. Ele disse-lhes: "Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus."

26. Não puderam surpreendê-lo em qualquer palavra diante do povo. Admirados da sua resposta, calaram-se.

27. Aproximaram-se depois alguns saduceus, que negam a ressurreição, e fizeram-lhe a seguinte pergunta:

28. "Mestre, Moisés deixou-nos escrito: Se morrer o irmão de algum, tendo mulher, e não deixar filhos, case-se com ela o seu irmão, para dar descendência ao seu irmão (Dt. 25,5-6).

29. Ora havia sete irmãos. O primeiro casou, e morreu sem filhos.

30. Casou também o segundo com a viúva, e morreu sem filhos.

31. Casou depois com ela o terceiro. E assim sucessivamente todos os sete, e morreram sem deixar filhos.

32. Morreu enfim também a mulher, depois de todos eles.

33. Na ressurreição, de qual deles será ela mulher, pois que o foi de todos sete?"

34. Jesus disse-lhes: "Os filhos deste século casam e são dados em casamento,

35. mas os que forem julgados dignos do século futuro e da ressurreição dos mortos, nem os homens desposarão mulheres, nem as mulheres homens,

36. porque não poderão jamais morrer; porquanto são semelhantes aos anjos, e são filhos de Deus, visto serem filhos da ressurreição. (ver nota)

37. Que os mortos hajam de ressuscitar, o mostrou também Moisés a propósito da sarça, quando chamou ao Senhor o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacob (Ex. 3,6). (ver nota)

38. Ora Deus não é Deus de mortos, mas de vivos, porque para ele, todos são vivos."

39. Alguns dos escribas disseram-lhe: "Mestre, falaste bem"

40. Dali em diante, não se atreveram mais a interrogá-lo.

41. Jesus disse-lhes: "Como dizem que o Cristo é filho de David?

42. Quàndo o mesmo David, no livro dos Salmos (109,1), diz: Disse o Senhor ao meu Senhor; Senta-te à minha direita,

43. até que eu ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés.

44. Se David, pois, lhe chama Senhor, como pode ele ser seu filho?"

45. Depois, ouvindo-o todo o povo, Jesus disse aos seus discípulos:

46. "Guardai-vos dos escribas, que gostam de andar com vestidos compridos, de ser saudados nas praças, de ocupar as primeiras cadeiras nas sinagogas, e os primeiros lugares nos banquetes;

47. que devoram as casas das viúvas, a pretexto de longas orações. Estes receberão uma condenação mais severa." (ver nota)





“Seria mais fácil a Terra existir sem o sol do que sem a santa Missa!” São Padre Pio de Pietrelcina