1. No meu primeiro livro, ó Teófilo, falei de todas as coisas que Jesus fez e ensinou, desde o princípio (ver nota)

2. até ao dia em que, tendo dado as suas instruções por meio do Espírito Santo aos Apóstolos, que tinha escolhido, foi arrebatado ao céu;

3. aos quais também se manifestou vivo, depois da sua Paixão, com muitas provas, aparecendo-lhes, durante quarenta dias, e falando do reino de Deus.

4. Estando à mesa com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, "a qual ouvistes (disse ele) da minha boca; (ver nota)

5. porque João, na verdade, baptizou em água, mas vós sereis baptizados no Espírito Santo, daqui a poucos dias."

6. Então os que se tinham congregado, interrogavam-no: "Senhor, porventura chegou o tempo em que ides restabelecer o reino de Israel?"

7. Ele disse-lhes: "Não vos pertence a vós saber os tempos nem os momentos que o Pai reservou ao seu poder;

8. mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia, na Samaria e até às extremidades da terra."

9. Tendo dito isto, elevou-se à vista deles, e uma nuvem o ocultou aos seus olhos.

10. Como estivessem olhando para o céu, quando ele ia subindo, eis que se apresentaram junto deles dois personagens vestidos de branco,

11. os quais lhes disseram: "Homens da Galileia, por que estais aí parados olhando para o céu? Esse Jesus que, separando-se de vós, foi arrebatado ao céu, virá do mesmo modo que o viste ir para o céu."

12. Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras que dista de Jerusalém a jornada de um sábado. (ver nota)

13. Logo que chegaram, subiram ao cenáculo, onde permaneciam habitualmente Pedro, João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão o Zelador, e Judas, irmão de Tiago.

14. Todos estes perseveravam unânimemente em oração, com as mulheres e com Maria, Mãe de Jesus, e com os irmãos dele. (ver nota)

15. Naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos irmãos (o número das pessoas ali reunidas era de cerca cento e vinte), disse:

16. "Irmãos, é necessário que se cumpra o que o Espírito Santo predisse na Escritura pela boca de David, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus.

17. Ele estava alistado entre nós e tinha recebido a sua parte no nosso ministério.

18. Este homem, depois de adquirir um campo com o salário da sua iniquidade, tendo caído de cabeça, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram. (ver nota)

19. Este facto tornou-se tão notório a todos os habitantes de Jerusalém, que se ficou chamando aquele campo, na língua deles, Haceldama, isto é, Campo de sangue.

20. Com efeito, está escrito no livro dos Salmos: Fique deserta a sua morada, e não haja quem habite nela! E: Receba outro o seu ministério (Ps. 68, 26; Ps. 108, 8).

21. É necessário, pois, que, destes varões que têm estado juntos connosco durante todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu entre nós,

22. desde o baptismo de João até ao dia em que foi arrebatado (ao céu) dentre nós, um deles seja constituído testemunha connosco da sua ressurreição. (ver nota)

23. Foram apresentados dois: José, chamado Barsabas, o qual tinha por sobrenome o Justo, e Matias.

24. E, orando, disseram: "Tu, Senhor, que conheces os corações de todos, mostra-nos destes dois o que escolheste

25. para ocupar o lugar deste ministério e apostolado, do qual se transviou Judas para ir para o seu lugar." (ver nota)

26. Tiraram os seus nomes à sorte, e caiu a sorte em Matias, o qual foi associado aos onze Apóstolos.





“Reflita no que escreve, pois o Senhor vai lhe pedir contas disso.” São Padre Pio de Pietrelcina