1. Ora Dina, filha de Lia, saiu para ver as mulheres daquele país.

2. Tendo-a visto Siquem, filho de Hemor Heveu, príncipe daquela terra, enamorou-se dela, raptou-a e dormiu com ela, desflorando à força a virgem.

3. A sua alma se prendeu a ela, e, vendo-a triste, a acariciou com meiguices.

4. E, indo ter com seu pai Hemor, disse: Toma esta donzela para minha mulher.

5. Jacob, tendo ouvido isto enquanto os filhos estavam ausentes e ocupados em apascentar os gados, não disse nada enquanto não voltaram.

6. Mas, tendo Hemor, pai de Siquem, ido falar a Jacob.

7. os filhos deste vinham do campo, e, tendo sabido o que acontecera, iraram-se muito, porque (Siquem) tinha feito uma ação vergonhosa contra Israel, violando a filha de Jacob, coisa que se não devia fazer.

8. Hemor falou-lhes assim: A alma de meu filho Siquem afeiçoou-se fortemente à vossa filha: dai-lha por mulher,

9. e façamos matrimônios reciprocamente: dai-nos as vossas filhas, recebei as nossas,

10. e habitai connosco: a terra está ao vosso dispor, cultivai, negociai, e adquiri possessões.

11. Siquem também disse ao pai e aos irmãos dela: Ache eu graça diante de vós, e darei tudo o que determinardes.

12. Aumentai o dote, pedi dádivas, e eu, de boa vontade, darei o que pedirdes: sòmente me dai esta donzela por mulher.

13. Os filhos de Jacob, enfurecidos por causa do estupro da irmã, responderam dolosamente a Siquem e a seu pai:

14. Não podemos fazer o que pedis, nem dar nossa irmã a um homem incircuncidado, porque isto é ilícito e abominável entre nós.

15. Mas poderemos fazer aliança, se quiserdes ser semelhantes a nós, e se entre vós se circuncidar todo o individuo do sexo masculino.

16. Então daremos as nossas filhas e receberemos reciprocamente as vossas; habitaremos convosco e seremos um só povo.

17. Se, porém, não quiserdes circuncidar-vos, levaremos nossa filha e nos retiraremos.

18. O seu oferecimento agradou a Hemor e a Siquem, seu filho.

19. O jovem não demorou em executar logo o que lhe era exigido, porque amava extremamente a donzela, e ele mesmo era muito respeitado em toda a casa de seu pai.

20. Tendo Hemor e Siquem entrado a porta da cidade, disseram ao povo:

21. Estes homens são pacíficos e querem habitar connosco; negociem nesta terra e cultivem-na; sendo ela espaçosa e vasta, necessita de cultivadores: receberemos por mulheres as suas filhas, e dar-lhes-emos as nossas.

22. Uma só coisa faz dilatar tanto bem: é o circuncidarmos os nossos varões imitando o rito deles.

23. Com isto, a sua riqueza, gados e tudo o que possuem será nosso: sòmente acedamos (ao seu desejo) e, habitando juntamente, formaremos um só povo.

24. Assentiram todos, sendo circuncidados todos os vairões.

25. Ao terceiro dia, quando a dor das feridas é mais violenta, os dois filhos de Jacob, Simeão e Levi, irmãos de Dina, empunhadas as espadas, entraram resolutamente na cidade, e, mortos todos os varões, (ver nota)

26. trucidaram igualmente Hemor e Siquem, tirando sua irmã Dina da casa de Siquem.

27. Tendo estes saído, os outros filhos de Jacob caíram impetuosamente sobre os mortos, e saquearam a cidade, por haver sido desonrada a irmã.

28. Tomaram as ovelhas, os rebanhos, os jumentos, devastaram tudo o que havia nas casas e nos campos.

29. e levaram cativos os (seus) filhos e (as suas) mulheres.

30. Praticado isto com tanta audácia, disse Jacob a Simeão e Levi: Vós me afligistes e me tornastes odioso aos Cananeus e aos Fereseus, habitantes deste país. Somos poucos. Eles, congregados, me acometerão, e serei destruído eu e a minha casa.

31. Eles responderam: Porventura deviam eles abusar da nossa irmã, como uma prostituta?





“O Senhor nos dá tantas graças e nós pensamos que tocamos o céu com um dedo. Não sabemos, no entanto, que para crescer precisamos de pão duro, das cruzes, das humilhações, das provações e das contradições.” São Padre Pio de Pietrelcina