1. Ao mestre do coro. Segundo a melodia de "Não destruas..." De Davide. Miktãm. Quando, fugindo de Saul, se escondeu numa caverna.

2. Tem piedade de mim, ó Deus, tem piedade de mim, Senhor, porque a minha alma se refugia em ti, e à sombra das tuas asas me acolho, até que passe a calamidade.

3. Clamo ao Deus altíssimo, ao Deus que tanto bem me tem feito.

4. Envie do céu (o seu auxilio) e salve-me, cubra de opróbrio os que me perseguem; envie Deus a sua graça e a sua fidelidade.

5. Estou jazendo no meio dos leões, que devoram com avidez os filhos dos homens. São lanças e setas os seus dentes, e espada afiada é a sua língua.

6. Manifesta-te excelso, ó Deus, sobre os céus, e brilhe a tua glória por toda a terra.

7. Armaram laços aos meus pés: deprimiram a minha alma. Cavaram diante de mim uma cova: (eles mesmos) caíam nela.

8. O meu coração, ó Deus, está firme, o meu coração está firme: cantarei e entoarei salmos.

9. Desperta, minha alma; despertai, saltério e citara! eu despertarei a aurora.

10. Louvar-te-ei entre os povos, Senhor; entoar-te-ei salmos entre as nações,

11. porque a tua misericórdia é (tão) grande (que chega) até ao céu, e a tua fidelidade até às nuvens.

12. Manifesta-te excelso, ó Deus, acima dos céus, e brilhe a tua glória sobre toda a terra.





“A prática das bem-aventuranças não requer atos de heroísmo, mas a aceitação simples e humilde das várias provações pelas quais a pessoa passa.” São Padre Pio de Pietrelcina