1. Se um homem, tomando uma mulher, se casar com ela, e não a achar agradável diante dos seus olhos por qualquer coisa inconveniente, escreverá um libelo de repúdio lho dará na mão, e a despedirá da sua casa. (ver nota)

2. Se ela, depois de ter saído, tomar outro marido,

3. e este também a aborrecer, e, dando-Ihe libelo de repúdio, a despedir de sua casa, ou se ele veio a morrer,

4. não poderá o primeiro marido tomá-la a tomar por mulher, dado que ela está contaminada, porque isso é abominável dante do Senhor; não faças pecar a terra cuja posse te der o Senhor teu Deus.

5. Quando um homem tiver tomado uma mulher há pouco tempo, não irá à guerra, nem se lhe imporá cargo algum público, mas estará livremente em sua casa, a fim de passar alegre um ano com sua mulher.

6. Não receberás por penhor a mó inferior e a superior, porque te deu por penhor a própria vida.

7. Se se encontrar um homem que raptou um seu irmão, dos filhos de Israel, e que o tenha feito seu escravo ou vendido, será morto, e tu tirarás (assim) o mal do meio de ti.

8. Evita diligentemente contrair a praga da lepra, fazendo tudo o que te ensinarem os sacerdotes da linhagem de Levi, conforme o que lhes prescrevi; cumpre tudo à risca.

9. Lembrai-Vos do que o Senhor vosso Deus fez a Maria no caminho, quando saístes do Egipto.

10. Quando requereres de teu próximo alguma coisa que ele deve, não entrarás em sua casa para tomar (algum) penhor,

11. mas estarás fora, e ele te trará o que tiver.

12. Se ele é pobre, o penhor não pernoitará em tua casa,

13. mas tornarás a dar-lho antes de se pôr o sol a fim de que ele, dormindo na sua roupa, te abençoe: isso será para ti uma justiça diante do Senhor teu Deus.

14. Não negarás a paga do indigente e do pobre quer ele seja teu irmão, quer um estrangeiro, que mora contigo na terra, e está dentro das tuas portas,

15. mas pagar-Ihe-ás no mesmo dia o preço do seu trabalho antes do sol-posto, porque é pobre, e com isso sustenta a sua vida. De contrário ele clamaria contra ti ao Senhor, e pesaria sobre ti um pecado,

16. Não se farão morrer os pais pelos filhos, nem os filhos pelos pais, mas cada um morrerá pelo seu pecado.

17. Não perverterás a justiça (na causa) do estrangeiro e do órfão, nem tirarás por penhor o vestido da viúva.

18. Lembra-te que foste escravo no Egipto e que o Senhor teu Deus te tirou de lá. Por isso te mando que faças isto.

19. Quando segares a messe no teu campo, e deixares por esquecimento alguma gavela, não voltarás para a Ievar, mas deixá-las-ás tomar ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, a fim de que o Senhor teu Deus te abençoe em todas as obras das tuas mãos.

20. Se tiveres colhido o fruto das oliveiras, não voltarás a colher algum resto que tenha ficado nas árvores, mas deixá-lo-ás ao estrangeiro, ao órfão e à viúva

21. Se tiveres vindimado a tua vinha, não irás colher os cachos que ficaram; serão para o estrangeiro, paia o órfão e para a viúva.

22. Lembra-te que foste também escravo no Egipto; por isso te mando que façais assim.





“O medo excessivo nos faz agir sem amor, mas a confiança excessiva não nos deixa considerar o perigo que vamos enfrentar”. São Padre Pio de Pietrelcina