1. Eliú, falando de novo, disse:

2. Parece-te porventura justo o teu pensamento, quando disseste: Eu tenho razão contra Deus?

3. Ou quando disseste: de que me serve a minha inocência, que vantagem tirei de não pecar?

4. Eu, portanto, responderei aos teus discursos e aos teus amigos contigo.

5. Levanta os olhos ao céu e vê, contempla como o firmamento é mais alto que tu.

6. Se pecares, que dano farás tu a Deus? Se as tuas iniquidades se multiplicarem, que prejuízo lhe causarás?

7. Se obrares com justiça, que proveito lhe darás ou que receberá ele da lua mão?

8. A tua impiedade só poderá fazer mal a um homem, que é teu semelhante; a tua justiça só poderá ser útil ao afilho do homem.

9. Eles (os oprimidos) clamam por causa da gravidade da opressão, e lamentam-se por causa da violência do braço dos tiranos.

10. Mas nenhum disse: Onde está o Deus que me criou, que inspira cânticos de júbilo em plena noite;

11. que nos instrui mais que aos animais da terra, e nos ilustra mais que às aves do céu?

12. Clamam então, e Deus não os ouve por causa da soberba dos maus.

13. Deus não ouve gritos vãos o Omnipotente não os atende.

14. Ainda quando tenhas dito: "(Deus") não atende", - a (tua) causa está já diante dele, espera o seu julgamento.

15. Mas, agora, porque a sua cólera ainda se não manifestou, há motivo para dizer que ele não faz caso do crime?

16. Logo Job em vão abriu a sua boca, insensatamente multiplicou palavras.





“Temos muita facilidade para pedir, mas não para agradecer”. São Padre Pio de Pietrelcina