1. Chama, pois, (algum defensor), se é que há alguém que te responda. Para qual dos santos te voltaras?

2. Verdadeiramente a ira mata o insensato, e a inveja mata o louco.

3. Eu vi o (pecador) insensato com profundas raízes, mas, sìbitamente, foi destruída a sua morada.

4. Longe estão os seus filhos da salvação (ou felicidade), são pisados à porta (da cidade), e não há quem os livre.

5. A sua messe devora-a o faminto, salta sobre os espinhos para a arrebatar, e os sequiosos bebem as suas riquezas.

6. A desgraça não nasce do pó, e a dor não brota da terra.

7. O homem nasceu para sofrer, como os filhos da chama (faúlhas) paravoar.

8. Por mim, rogarei ao Senhor, dirigirei a minha oração a Deus,

9. que faz coisas grandes e impenetráveis maravilhas incontáveis,

10. que derrama a chuva sobre a face da terra, e tudo rega com as águas;

11. que exalta os humildes, e aos tristes alenta com prosperidades;

12. que dissipa os pensamentos dos malignos, para que as suas mãos não possam acabar o que tinham começado;

13. que apanha os astutos na sua própria astúcia, e que dissipa o desígnio dos maus.

14. De dia se encontram em trevas, e ao meio-dia andam às apalpadelas como de noite.

15. Ele salva o desvalido da espada da sua boca, e o pobre da mão do (homem) poderoso.

16. Volta a esperança ao indigente, e a iniquidade fecha a sua boca.

17. Bem-aventurado o homem a quem Deus corrige. Não desprezes, pois, a correção do Omnipotente,

18. porque ele fere e sara; dá o golpe e as suas mãos curam.

19. Seis... à sétima... Gradação usada para indicar um grande número.

20. Seis vezes te livrará da angústia, e à sétima o mal não te tocará.

21. No tempo da fome ele te salvará da morte, e no tempo da guerra do poder da espada.

22. Estarás a coberto do açoute da (má) língua. e não temerás a calamidade quando chegar.

23. Da desolação e da fome te rirás, e não temerás as feras da terra.

24. Até farás aliança com as pedras dos campos, e as feras da terra te serão pacificas.

25. Verás reinar a paz na tua casa, e, visitando as tuas terras, nada te verás faltar.

26. Verás também multiplicar-se a tua descendência, crescer a tua posteridade como a erva dos campos.

27. Entrarás, na maturidade, no sepulcro, como um feixe de trigo colhido a seu tempo.

28. Olha que assim é isto que nós observámos; escuta-o e tira dele proveito.





O Pai celeste está sempre disposto a contentá-lo em tudo o que for para o seu bem”. São Padre Pio de Pietrelcina