1. Depois vi um outro anjo forte, que descia do céu, vestido de uma nuvem, e com o arco-íris sobre a sua cabeça; o seu rosto era como o sol, e as suas pernas como colunas de fogo. (ver nota)

2. Tinha na sua mão um livrinho aberto, e pôs o pé direito sobre o mar, o esquerdo sobre a terra,

3. e gritou em alta voz, como um leão quando ruge. Quando gritou, sete trovões fizeram ouvir as suas vozes.

4. Quando os sete trovões fizeram ouvir as suas vozes, eu dispunha-me a escrever, mas ouvi uma voz do céu que dizia: "Sela as palavras dos sete trovões, e não as escrevas." (ver nota)

5. E o anjo, que eu vira de pé sobre o mar e sobre a terra, levantou a sua mão direita ao céu

6. e jurou por aquele que vive pelos séculos dos séculos, que criou o céu e tudo o que há nele, a terra e tudo o que nela há, o mar e tudo o que há nele (jurou) que não haveria mais tempo (para fazer penitência),

7. mas que nos dias da voz do sétimo anjo, quando começasse a soar a trombeta, se cumpriria o mistério de Deus, como ele o anunciou pelos profetas seus servos. (ver nota)

8. E a voz que eu tinha ouvido do céu, novamente me falava e dizia: "Vai e toma o livrinho que está aberto na mão do anjo, que se mantém de pé sobre o mar e sobre a terra."

9. Fui ter com o anjo, dizendo-lhe que me desse o livrinho. Ele respondeu-me: "Toma-o e devora-o; ele fará amargar o teu ventre, mas na tua boca será doce como mel." (ver nota)

10. Tomei o livrinho da mão do anjo e devorei-o; na minha boca era doce como mel, mas, depois que o devorei, o meu ventre ficou amargurado.

11. Então disse-me: "E’ necessário que ainda profetizes a muitos povos, nações, (homens de diversas) línguas e reis."





“O medo excessivo nos faz agir sem amor, mas a confiança excessiva não nos deixa considerar o perigo que vamos enfrentar”. São Padre Pio de Pietrelcina