1. Ora o Senhor disse a Abrão: saí da tua terra, da tua parentela, da casa de teu pai, e vem para a terra que eu te mostrar.

2. Farei (sair) de ti um grande povo, e te abençoarei, engrandecerei o teu nome e serás bendito.

3. Abençoarei os que te abençoarem, amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as nações da terra.

4. Partiu, pois, Abrão, como o Senhor lhe tinha ordenado, e foi com ele Loth. Tinha Abrão setenta e cinco anos, quando saiu de Haran

5. Levou consigo Sarai, sua mulher, Loth, filho de seu irmão, todos os bens que possuíam e as pessoas que tinham adquirido em Haran. Partiram, a caminho da terra de Canaan, e lá chegaram.

6. Abrão atravessou este pais até ao lugar de Siquém, até à cadeia de Moré. Os Cananeus estavam então naquela terra.

7. O Senhor apareceu a Abrão e disse-lhe: darei esta terra aos teus descendentes. Naquele lugar, (Abrão) edificou um altar ao Senhor, que lhe tinha aparecido.

8. Passando dali ao monte, que estava ao oriente de Betel, ai levantou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Hai ao oriente. Aí edificou também um altar ao Senhor, e invocou o seu nome.

9. Abrão continuou a sua viagem, andando e avançando para o meio-dia.

10. Sobreveio, porém, uma fome no país, e Abrão desceu ao Egito, para ai viver algum tempo, porque a fome era muita no (seu) pais.

11. Quando estava perto de entrar no Egito disse a Sarai, sua mulher: conheço que és uma mulher formosa

12. e que, quando os Egípcios te virem, dirão: é sua mulher - e matar-me-ão, conservando-te a ti.

13. Dize, pois, te peço, que és minha irmã, para que eu seja bem tratado por causa de ti, e me conservem a vida, em atenção a ti.

14. Tendo pois Abrão entrado no Egito, viram os Egípcios que aquela mulher era muito formosa.

15. Os grandes de Faraó, vendo-a, gabaram-na muito diante dele: e a mulher foi levada ao palácio do Faraó.

16. Trataram bem Abrão, por causa dela, e ele teve ovelhas, bois, jumentos, servos, servas, jumentas e camelos.

17. O Senhor, porém, feriu Faraó e a sua casa com grandíssimas pragas, por causa de Sanai, mulher de Abrão.

18. Então Faraó chamou Abrão e disse-lhe: por que te houveste comigo desta sorte? Por que não declaraste que ela era tua mulher?

19. Por que disseste que ela era tua irmã, para que eu a tomasse por minha mulher? Agora, pois, aí tens a tua mulher, toma-a e vai-te.

20. E Faraó deu ordens a seus homens para cuidarem de Abrão, e feles o acompanharam (até à saída do Egito) com sua mulher e com tudo o que possuía.





“Pobres e desafortunadas as almas que se envolvem no turbilhão de preocupações deste mundo. Quanto mais amam o mundo, mais suas paixões crescem, mais queimam de desejos, mais se tornam incapazes de atingir seus objetivos. E vêm, então, as inquietações, as impaciências e terríveis sofrimentos profundos, pois seus corações não palpitam com a caridade e o amor. Rezemos por essas almas desafortunadas e miseráveis, para que Jesus, em Sua infinita misericórdia, possa perdoá-las e conduzi-las a Ele.” São Padre Pio de Pietrelcina