1. Enquanto Tobias se demorava, por causa das núpcias, seu pai Tobias estava em cuidados, dizendo: Quem sabe por que motivo tarda meu filho, por que se tem lá detido?

2. Porventura morreria Gabelo, e não haverá ninguém que lhe restitua o dinheiro?

3. Começou ele, pois, a entristecer-se em extremo, e Ana, sua mulher, com ele ; ambos juntos começaram a chorar, porque seu filho não voltava no tempo marcado.

4. Sobretudo sua mãe derramava lágrimas inesgotáveis e dizia: Ai, ai de mim! meu filho, para que te mandamos nós tão longe, a ti que eras a luz dos nossos olhos, o bordão da nossa velhice, a consolação da nossa vida e a esperança da nossa posteridade?

5. Nós, que em ti só tínhamos tudo, não devíamos afastar-te da nossa companhia.

6. Tobias dizia-lhe: Cala-te, não te perturbes, que o nosso filho está são ; aquele homem, com quem nós o mandamos, é muito fiel.

7. Ela, porém, não se podia consolar de modo algum, mas, saindo todos os dias fora, andava olhando para todas as parles, e corria por todos os caminhos, por onde esperava que o filho poderia voltar, para o ver vir ao longe, se lhe fosse possível.

8. Entretanto Raguel dizia a seu genro: Fica-te aqui; eu mandarei a Tobias, teu pai, um mensageiro com novas da tua saúde.

9. Tobias respondeu-lhe: Eu sei que meu pai e minha mãe estão agora contando-os dias e que o seu espírito está num continuo tormento.

10. Raguel, depois de ter feito muitas instâncias a Tobias, ao ver que este não queria, de modo algum, condescender com ele, entregou-lhe sua filha Sara e metade de tudo o que possuía em servos, servas, rebanhos, camelos, vacas, e em grande quantidade de dinheiro; (depois)deixou-o partir são e alegre,

11. dizendo: Que o santo anjo do Senhor seja convosco na viagem, vos conduza sem perigo algum, e que os meus olhos vejam os vossos filhos antes de eu morrer.

12. Os pais, abraçando a sua filha, beijaram-na e deixaram-na partir,

13. recomendando-lhe que honrasse os seus sogros, que amasse o seu marido, que regesse a sua família, que governasse a sua casa, conservando-se ela própria irrepreensível.





“Deus é servido apenas quando é servido de acordo com a Sua vontade.” São Padre Pio de Pietrelcina