1. Um homem, porém, chamado Ananias, de combinação com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade,

2. e, com a cumplicidade de sua mulher, reteve parte do preço, e, levando uma parte, a pôs aos pés dos Apóstolos.

3. Pedro disse: "Ananias, como é que Satanás se apossou de teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço do campo?

4. Não é verdade que, conservando-o (sem vender), era teu, e mesmo, depois de vendido, não estava em teu poder (o preço)? Por que motivo puseste em teu coração (fazer) tal coisa? Não mentiste aos homens, mas a Deus."

5. Ananias, ao ouvir estas palavras, caiu e expirou. Infundiu-se um grande temor em todos os que ouviram isto.

6. Levantando-se alguns jovens, cobriram o seu corpo e levaram-no a enterrar.

7. Passado quase o espaço de três horas, entrou também sua mulher, não sabendo o que tinha acontecido.

8. Pedro disse-lhe: "Dize-me, é verdade que vendeste por tanto o campo?" Ela disse: "Sim, por tanto."

9. Pedro então disse para ela: "Por que vos combinastes para tentar o Espírito do Senhor? Eis que estão à porta os pés daqueles que sepultaram teu marido, e te levarão a ti."

10. Imediatamente, ela caiu a seus pés e expirou. Os jovens, entrando, encontraram-na morta, levaram-na e enterraram-na junto do seu marido. (ver nota)

11. Então difundiu-se um grande temor por toda a Igreja, e entre todos os que ouviram estas coisas.

12. Entretanto eram feitos pelas mãos dos Apóstolos muitos milagres e prodígios entre o povo. Reuniam-se todos unanimemente no pórtico de Salomão.

13. E nenhum dos outros (que não eram cristãos) ousava juntar-se com eles; mas o povo dava-lhes grandes louvores.

14. Cada vez aumentava mais o número dos homens e mulheres que criam no Senhor,

15. de maneira que traziam os doentes para as ruas e punham-nos em leitos e enxergões, a fim de que, ao passar Pedro, cobrisse ao menos a sua sombra algum deles.

16. Concorria também muita gente das cidades vizinhas de Jerusalém, trazendo enfermos e vexados dos espíritos imundos, os quais eram curados todos.

17. Então, levantando-se o príncipe dos sacerdotes e todos os do seu partido, que é a seita dos saduceus, encheram-se de inveja,

18. deitaram as mãos sobre os Apóstolos e meteram-nos na cadeia pública.

19. Mas um anjo do Senhor, abrindo de noite as portas da prisão e tirando-os para fora, disse:

20. "Ide, e, apresentando-vos no templo, pregai ao povo todas as palavras desta vida."

21. Eles obedecendo a esta ordem, entraram ao amanhecer no templo e puseram-se a ensinar. Entretanto, tendo chegado o príncipe dos sacerdotes e os do seu partido, convocaram o Sinédrio e todo o Senado dos filhos de Israel, e mandaram à prisão buscar os Apóstolos, para que fossem ali trazidos.

22. Tendo lá ido os guardas, não os encontraram, e voltaram a dar a notícia,

23. dizendo: "Encontramos a prisão fechada cuidadosamente, e os guardas de pé diante das portas, mas, abrindo-as não encontramos ninguém dentro."

24. Ao ouvirem tais palavras, o oficial do templo e os príncipes dos sacerdotes estavam perplexos e perguntavam entre si o que aquilo queria dizer.

25. Neste momento, alguém foi dizer-lhes: "Eis que aqueles homens, que metestes na prisão, estão no templo e ensinam o povo."

26. Então foi o chefe da polícia com os seus agentes e trouxe-os sem violência, porque temiam que o povo os apedrejasse.

27. Tendo-os conduzido, os apresentaram ao Sinédrio. O príncipe dos sacerdotes os interrogou:

28. "Expressamente vos ordenámos que não ensinásseis nesse nome, e eis que tendes enchido Jerusalém da vossa doutrina, e quereis tornar-nos responsáveis pelo sangue desse homem."

29. Pedro e os Apóstolos responderam: "Deve-se obedecer antes a Deus que aos homens.

30. O Deus dos nossos pais ressuscitou Jesus, a quem vós matastes, suspendendo-o num madeiro.

31. A este elevou Deus com a sua dextra como Chefe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados.

32. E nós somos testemunhas destas coisas, assim como o Espírito Santo, dado por Deus a todos os que lhe obedecem."

33. Tendo ouvido isto, enraiveciam-se e formavam tenção de os matar,

34. mas, levantando-se no Sinédrio um fariseu, chamado Gamaliel, doutor da lei, respeitado por todo o povo, mandou que saíssem para fora aqueles homens por um pouco de tempo,

35. e disse aos sinedritas: "Varões israelitas, considerai bem o que estais para fazer com estes homens.

36. Não há muito tempo apareceu Teudas, que dizia ser um grande homem, ao qual se associou um número de cerca de quatrocentos homens. Ele foi morto, e todos aqueles que o acreditavam foram dispersos e reduzidos a nada.

37. Depois deste surgiu Judas, o Galileu, nos dias do recenseamento, e levou o povo após si, mas também pereceu; e foram dispersos todos os seus sequazes.

38. Agora aconselho-vos a que não vos metais com estes homens e que os deixeis. Porque, se esta ideia ou esta obra vem dos homens, por si mesma se desfará;

39. mas, se vem de Deus, não a podereis desfazer; assim não correie o risco de fazer oposição ao próprio Deus." Eles seguiram o seu conselho.

40. Tendo chamado os Apóstolos, depois de os terem mandado açoutar, ordenaram-lhes que não falassem mais no nome de Jesus, e soltaram-nos.

41. Porém eles saíam da presença do Sinédrio, contentes por terem sido achados dignos de sofrer afrontas pelo nome (de Jesus).

42. E todos os dias não cessavam de ensinar e de anunciar a boa nova de Jesus, o Cristo, no templo e pelas casas.





“Seja paciente nas aflições que o Senhor lhe manda.” São Padre Pio de Pietrelcina