1. Naquele dia leu-se no livro de Moisés na presença do povo, e achou-se escrito nele que os Amonitas e os Moabitas nunca deviam entrar na assembleia de Deus,

2. porque não tinham ido ao encontro dos filhos de Israel, com pão e água, e porque subornaram contra eles Balaão, para os amaldiçoar — maldição que o nosso Deus converteu em bênção.

3. Sucedeu que, quando ouviram a lei, separaram de Israel todos os estrangeiros.

4. Isto estava ao cuidado do sacerdote Eliasib, que tinha sido intendente do tesouro da casa do nosso Deus e que era parente de Tobias.

5. Ele havia posto à disposição deste (Tobias) uma câmara grande, no lugar onde antes se depositavam os donativos, o incenso, os vasos, os dízimos do trigo, do vinho e do azeite, as porções dos Levitas, dos cantores, dos porteiros e as primícias sacerdotais.

6. Enquanto se fazia tudo isto, eu não estava em Jerusalém, porque no ano trinta e dois de Artaxerxes, rei de Babilônia, fui ter com o rei. Ao cabo dum certo tempo, pedi licença ao rei (para voltar a Jerusalém).

7. Voltei para Jerusalém e soube do mal que Eliasib tinha cometido para servir a Tobias, cedendo-lhe um aposento nos átrios da casa de Deus.

8. O mal pareceu-me muito grande. Deitei os móveis da casa de Tobias fora do aposento,

9. e, por minha ordem, foi purificado o aposento; (depois) reconduzi para lá os vasos da casa de Deus, as oferendas e o incenso.

10. Soube também que os quinhões dos Levitas não lhes tinham sido dados, e que os Levitas, os cantores e os que serviam no templo, tinham fugido, cada qual para a sua terra.

11. Repreendi os magistrados e disse: Por que abandonamos nós a casa de Deus? Depois reuni os Levitas e os cantores, e obriguei-os a voltar às suas funções.

12. Então todo o Judá trouxe para os celeiros os dízimos do trigo, do vinho e do azeite.

13. Estabeleci por superintendentes dos celeiros a Selemias, sacerdote, a Sadoc, escriba, a Fadais, dos Levitas, e agreguei-lhes Hanan, filho de Zacur, filho de Matatias, porque tinham sido encontrados fiéis. Ficaram encarregados de fazer a distribuição das porções aos seus irmãos.

14. Lembra-te por isto de mim, ó meu Deus, e não apagues as boas obras que fiz na casa do meu Deus e nas suas cerimónias.

15. Naqueles dias vi em Judá homens, que pisavam nos lagares ao sábado, que acarretavam molhos, que carregavam sobre jumentos vinho, uvas, figos e toda a casta de fardos, que levavam a Jerusalém em dia de sábado. Ordenei-lhes expressamente que vendessem somente nos dias em que era lícito vender.

16. Havia também Tirios estabelecidos na cidade, que traziam peixe e mercadorias de toda a espécie, para vender em Jerusalém, aos filhos de Judá, nos sábados.

17. Repreendi os grandes de Judá, dizendo-lhes: Que maldade é esta que cometeis, profanando o dia de sábado?

18. Não é isto o mesmo que fizeram nossos pais, e não foi por isso que nosso Deus fez cair toda esta calamidade sobre nós e sobre esta cidade? Ides vós aumentar a sua ira sobre Israel, violando o sábado?

19. Mandei, pois, que quando descessem as sombras sobre as portas de Jerusalém, na véspera do sábado, se fechassem as mesmas portas e se não abrissem senão depois do sábado; pus alguns de meus criados às portas, para que ninguém fizesse entrar carga alguma em dia de sábado.

20. Os negociantes e os que traziam para vender toda a casta de mercadoria ficaram uma ou duas vezes fora de Jerusalém.

21. Adverti-os e disse-Ihes: Por que estais assim defronte dos muros? Se fizerdes isso outra vez, mandar-vos-ei castigar. Daquele tempo em diante, não tornaram mais no sábado.

22. Ordenei também aos Levitas que se purificassem, que fossem guardar as portas e santificar o dia de sábado. Também por isso lembra-te de mim, ó meu Deus, e perdoa-me segundo a multidão das tuas misericórdias.

23. Naqueles dias, vi Judeus que se tinham casado com mulheres de Azoto, de Amon e de Moab.

24. Metade dos seus filhos falavam língua azótica e não sabiam falar hebreu; o mesmo (que com a língua azótica) sucedia com a língua de outros povos. (ver nota)

25. E eu os repreendi e amaldiçoei. Feri alguns deles, arranquei-Ihes os cabelos e fi-los jurar por Deus que não dariam suas filhas aos filhos de estrangeiros, e não tomariam filhas estrangeiras para seus filhos nem para si mesmos.

26. Porventura, disse-lhes eu, não foi nisto mesmo que pecou Salomão, rei de Israel? Certamente não havia rei semelhante a ele entre todos os povos; ele era amado do seu Deus, e Deus tinha-o constituído rei sobre todo o Israel; contudo as mulheres estrangeiras fizeram-no cair no pecado.

27. Podemos nós ouvir dizer (e consentir) que cometeis este grande mal de tomar mulheres estrangeiras e que sois, assim, infiéis ao nosso Deus?

28. Um dos filhos de Jojada, filho de Eliasib, sumo sacerdote, era genro de Sanabalat, Horonita, a quem afastei de mim.

29. Senhor Deus meu, lembra-te de castigar aqueles que mancham o sacerdócio e o sagrado dever sacerdotal e levítico.

30. Foi assim que os purifiquei (ou separei) de todos os estrangeiros, que pus em vigor o regulamento dos sacerdotes e dos Levitas, colocando cada um no seu ministério,

31. e que restabeleci a oblação da lenha e das primícias, aos tempos devidos. Lembra-te de mim, Deus meu, para meu bem. Assim seja.





“A ingenuidade e’ uma virtude, mas apenas ate certo ponto; ela deve sempre ser acompanhada da prudência. A astúcia e a safadeza, por outro lado, são diabólicas e podem causar muito mal.” São Padre Pio de Pietrelcina