1. Foi Josafat muito rico e muito ilustre, e ligou-se, por laços de família, com Acab (visto o seu filho Jorão ter casado com Atalia, filha deste).

2. Passados anos, foi ter com ele à Samaria. Acab, à sua chegada, mandou matar muitos carneiros e bois para ele e para o povo que com ele tinha ido, e persuadiu-o a que marchasse contra Ramot de Galaad.

3. Acab, rei de Israel, disse a Josafat, rei de Judá: Vem comigo contra Ramot de Galaad. Josafat respondeu-lhe: Farei o que tu fizeres, o meu povo fará o que fizer o teu: iremos contigo à guerra.

4. Josafat, porém, acrescentou ao rei de Israel: Peço-te que consultes hoje a vontade do Senhor.

5. O rei de Israel juntou quatrocentos profetas (falsos) e disse-lhes: Devemos nós ir atacar Ramot de Galaad, ou deixai-nos estar quietos? Eles responderam: Vai, que Deus a entregará nas mãos do rei.

6. Josafat disse: Não há aqui algum profeta do Senhor, para também o consultarmos?

7. O rei de Israel disse a Josafat: Aqui há um homem, por meio do qual podemos consultar a vontade do Senhor; todavia eu aborreço-o, porque nunca me profetiza coisa boa, mas sempre o mal: é Miqueias, filho de Jemla. Josafat disse-lhe: Ó rei, não fales assim.

8. O rei de Israel mandou, então, chamar um dos seus eunucos e disse-lhe: Chama depressa Miqueias, filho de Jemla.

9. O rei de Israel e Josafat, rei de Judá, estavam sentados cada um em seu trono, vestidos com magnificência real; estavam sentados na praça que está junto da porta de Samaria, e todos os (falsos) profetas profetizavam diante deles.

10. Então Sedecias, filho de Canaana, fez para si uns chifres de ferro, e disse: Eis o que diz o Senhor: Com estes sacudirás tu a Síria, até a destruíres.

11. Todos os profetas profetizavam do mesmo modo, dizendo: Marcha para Ramot de Galaad, que serás bem sucedido, pois o Senhor a entregará nas mãos do rei.

12. O mensageiro, que tinha ido chamar Miqueias, disse-lhe: Sabe que todos os profetas profetizam, a uma voz, ao rei, bom sucesso; peço-te, pois, que as tuas palavras não discordem das deles e que profetizes um sucesso favorável.

13. Miqueias respondeu-lhe: Viva o Senhor! Eu não direi senão o que me disser o meu Deus.

14. Quando chegou à presença do rei, o rei disse-lhe: Miqueias, devemos ir contra Ramot de Galaad, para combater, ou deixar-nos estar quietos? Ele respondeu-lhe: Ide, porque tudo vos correrá bem: os inimigos serão entregues nas vossas mãos,

15. O rei disse: Eu te conjuro uma e outra vez que me não digas senão o que é verdade em nome do Senhor.

16. Então Miqueias disse: Eu vi Israel disperso pelos montes, como ovelhas sem pastor. O Senhor disse: Estas gentes não têm chefes; cada um volte em paz para sua casa.

17. O rei de Israel disse para Josafat: Não te disse eu que este homem nunca me profetiza coisa alguma de bem, mas sempre o que é mau?

18. Miqueias prosseguiu: Ouvi a palavra do Senhor: Eu vi o Senhor sentado no seu trono e todo o exército do céu que o circundava à direita e à esquerda.

19. E o Senhor disse: Quem enganará Acab, rei de Israel, para que ele marche e pereça em Ramot de Galaad? Respondendo um dum modo, e outro doutro,

20. aproximou-se um espírito maligno, apresentou-se diante do Senhor e disse: Eu o enganarei. O Senhor disse-lhe: Como o enganarás tu?

21. Ele respondeu: Irei e serei um espírito mentiroso na boca de todos os seus profetas. Disse o Senhor: Tu o enganarás e prevalecerás; vai e faze-o assim (eu to permito).

22. Repara, pois, que o Senhor pôs (ou permitiu) um espírito de mentira, na boca de todos os teus profetas, e o Senhor pronunciou contra ti desgraças.

23. Então Sedecias, filho de Canaana, avançando, deu uma bofetada em Miqueias e disse: Por que caminho passou de mim o espírito do Senhor, para te falar a ti?

24. Miqueias respondeu: Tu mesmo o verás naquele dia em que fores fugindo de aposento em aposento para te esconderes.

25. O rei de Israel ordenou, então: Pegai em Miqueias e levai-o a Amon, governador da cidade, e a Joás, filho de Amelec.

26. Direis: Isto manda o rei: Metei este homem no cárcere e dai-lhe pão de aflição e água de angústia, até que eu volte em paz.

27. Miqueias respondeu: Se tu voltares em paz, não falou o Senhor pela minha boca. E acrescentou: Ouvi isto, povos todos.

28. O rei de Israel, pois, e Josafat, rei de Judá, marcharam contra Ramot de Galaad.

29. O rei de Israel disse para Josafat: Eu m darei de trajo, e assim irei combater, mas tu vem com as tuas vestes. O rei de Israel, mudado o trajo, foi para o combate.

30. Ora o rei da Síria tinha dado aos comandantes da sua cavalaria a ordem seguinte: Não pelejeis contra pequeno nem contra grande, mas sòmente contra o rei de Israel.

31. Por isso, quando os comandantes da cavalaria viram Josafat, disseram: Este é o rei de Israel. E cercaram-no, carregando sobre ele; porém ele soltou o seu grito (de guerra) e o Senhor o socorreu, desviando os sírios da sua pessoa.

32. Então, tendo visto os capitães da cavalaria que este não era o rei de Israel, deixaram-no.

33. Entretanto aconteceu que um homem do povo atirou à toa uma flecha, e feriu com ela o rei de Israel por entre as junturas da armadura, pelo que ele disse ao seu cocheiro: Volta de rédea e tira-me do combate, porque estou ferido.

34. Tornou-se tão violenta a batalha naquele dia que o rei de Israel ficou de pé no seu coche, até à tarde, em frente dos Sírios. Morreu ao pôr do sol.





“O trabalho é tão sagrado como a oração”. São Padre Pio de Pietrelcina