1. Manassés tinha doze anos, guando começou a reinar, e reinou cinquenta e cinco anos em Jerusalém,

2. Fez, porém, o mal diante do Senhor, seguindo as abominações dos povos que o Senhor tinha exterminado à vista dos filhos de Israel.

3. Restaurou os lugares altos, que seu pai Ezequias tinha demolido, levantou altares a Baal, mandou fazer ascheras, prostrou-se diante de toda a milícia do céu, e serviu-a.

4. Edificou também altares na casa do Senhor, da qual o Senhor tinha dito: O meu nome estará eternamente em Jerusalém.

5. Erigiu-os a toda a milícia celeste nos dois átrios da casa do Senhor.

6. Fez também passar os seus filhos pelo fogo no vale de Benenon (em honra de Moloc). Observava os sonhos, seguia os agouros, entregava-se às artes mágicas, tinha consigo magos e encantadores; cometeu muitos males diante do Senhor, provocando-o à ira.

7. Pôs um ídolo, uma estátua fundida, na casa do Senhor, da qual Deus falou a David e a seu filho Salomão, dizendo: Nesta casa e em Jerusalém, a qual eu escolhi entre todas as tribos de Israel, eu estabelecerei o meu nome para sempre.

8. Não farei mais sair Israel da terra que dei a seus pais, contanto que eles procurem cumprir o que eu lhes tenho mandado, toda a lei, todos os preceitos dados por meio de Moisés.

9. Manassés seduziu Judá e os habitantes de Jerusalém, para fazerem maiores males do que todas as nações que o Senhor tinha exterminado na presença dos filhos de Israel.

10. O Senhor falou a ele e ao seu povo, e não o quiseram ouvir.

11. Por isso Deus fez vir sobre eles os chefes do exército do rei dos Assírios, os quais aprisionaram Manassés e o levaram para Babilônia, preso com cadeias e grilhões.

12. Quando se viu na angústia, orou ao Senhor seu Deus e fez grande penitência diante do Deus de seus pais.

13. Suplicou-lhe, rogou-lhe fervorosamente, e o Senhor ouviu a sua oração e o reconduziu a Jerusalém no seu reino. Manassés reconheceu que o Senhor é Deus.

14. Depois disto, mandou edificar o muro que está fora da cidade de David, ao ocidente de Gion, no vale, desde a entrada da Porta dos Peixes, em roda até Ofel, e levantou-o muito. Também pôs oficiais do exército em todas as cidades fortes de Judá.

15. Tirou da casa do Senhor os deuses estranhos, o ídolo e os altares, que tinha mandado levantar sobre a colina do templo do Senhor e em Jerusalém, e fez lançar tudo fora da cidade.

16. Restaurou também o altar do Senhor e imolou sobre ele vítimas, hóstias pacíficas e de ação de graças, e ordenou a Judá que servisse o Senhor Deus de Israel.

17. Contudo, o povo ainda imolava nos lugares altos, mas apenas ao Senhor seu Deus.

18. O resto dos feitos de Manassés, a oração que ele fez ao seu Deus, as palavras dos profetas que lhe falaram da parte do Senhor Deus de Israel, encerram-se nos livros dos reis de Israel.

19. A oração que ele fez, como foi ouvido, todos os seus pecados, o desprezo (de Deus), os lugares em que mandou edificar os lugares altos e em que mandou levantar ascheras e estátuas, antes de fazer penitência, encontra-se tudo escrito no livro de Hozai.

20. Adormeceu Manassés com seus pais, e foi sepultado em sua casa. Em seu lugar reinou Amon, seu filho.

21. Tinha Amon vinte e dois anos, quando começou a reinar, e reinou dois anos em Jerusalém.

22. Fez o mal na presença do Senhor, como o tinha feito seu pai Manassés, e sacrificou e prestou culto a todos os ídolos que Manassés tinha mandado fabricar.

23. Não se humilhou, porém, diante do Senhor, como seu pai Manassés se tinha humilhado, antes cometeu delitos sobre delitos.

24. Seus servos, tendo-se conjurado contra ele, mataram-no em sua casa.

25. Porém, o resto do povo, depois de ter dado a morte aos assassinos de Amon, constituiu rei a Josias, seu filho, em lugar dele.





“E’ na dor que o amor se torna mais forte.” São Padre Pio de Pietrelcina