1. Então o povo da terra tomou Joacaz, filho de Josias, e constituiu-o rei de Jerusalém, em lugar de seu pai.

2. Joacaz tinha vinte e três anos, quando começou a reinar, e reinou em Jerusalém três meses,

3. porque o rei do Egito, tendo ido a Jerusalém, o depôs, condenando o país à contribuição de cem talentos de prata e de um talento de ouro.

4. Em lugar de Joacaz constituiu Eliaquim, seu irmão, rei sobre Judá e sobre Jerusalém, mudando-lhe o nome para Joaquim. Tomou Joacaz e levou-o consigo para o Egito.

5. Joaquim tinha vinte e cinco anos, quando começou a reinar, e reinou onze anos em Jerusalém. Fez o mal diante do Senhor seu Deus.

6. Contra ele marchou Nabucodonosor, rei dos Caldeus, que o prendeu com uma dupla cadeia de bronze e levou para Babilônia.

7. Transportou também para esta cidade os vasos do Senhor e colocou-os no seu palácio de Babilônia.

8. O resto das ações de Joaquim, das abominações que cometeu, que foram encontradas nele, estão contidas no livro dos reis de Judá e de Israel. Em seu lugar reinou seu filho Joaquin.

9. Joaquin tinha oito anos, guando começou a reinar, e reinou três meses e dez dias em Jerusalém. Fez o mal na presença do Senhor.

10. Tendo decorrido o espaço dum ano, o rei Nabucodonosor mandou tropas que o conduziram a Babilônia, levando juntamente os mais preciosos vasos da casa do Senhor. (Em lugar de Joaquin) constituiu rei sobre Judá e sobre Jerusalém a Sedecias, seu tio paterno.

11. Sedecias tinha vinte e um anos, quando começou a reinar, e reinou onze anos em Jerusalém.

12. Fez o mal diante dos olhos do Senhor seu Deus, e não respeitou a pessoa do profeta Jeremias, que lhe falava da parte do Senhor.

13. Sublevou-se também contra o rei Nabucodonosor, a quem tinha dado juramento (de fidelidade) em nome de Deus; endureceu a sua cerviz e o seu coração para não se converter ao Senhor Deus de Israel.

14. Também todos os príncipes dos sacerdotes e o povo se entregaram a todas as abominações dos gentios e profanaram a casa do Senhor, que ele tinha santificado para si em Jerusalém.

15. o Senhor Deus de seus pais dirigia-lhes frequentemente a sua palavra por meio dos seus enviados, admoestando-os constantemente, porque queria perdoar ao seu povo e à sua casa,

16. mas eles zombavam dos enviados de Deus, desprezavam as suas palavras, escarneciam dos seus profetas, até que o furor do Senhor se levantou contra o seu povo, e não houve mais remédio.

17. Então Deus fez vir contra eles o rei dos Caldeus, que degolou seus filhos na casa do seu santuário, não tendo piedade nem do jovem, nem da donzela, nem do velho, nem do decrépito. Deus entregou-lhos todos nas suas mãos.

18. Nabucodonosor levou para Babilônia todos os vasos da casa do Senhor, tanto os grandes como os pequenos, os tesouros do templo, os do rei e dos príncipes.

19. Os inimigos incendiaram a casa de Deus, arruinaram os muros de Jerusalém, puseram fogo a todas as torres e destruíram tudo o que havia de precioso.

20. Se alguém tinha escapado da espada, esse, levado a Babilônia, tornou-se escravo do rei e de seus filhos, até que teve início do império o rei dos Persas,

21. para se cumprir a palavra do Senhor pronunciada por boca de Jeremias: Até que a terra celebrou os seus sábados - porque, durante todo o tempo da sua desolação, ela esteve num sábado (ou descanso) contínuo, até que se completaram setenta anos.

22. No primeiro ano de Ciro, rei dos Persas, para se cumprirem as palavras que o Senhor tinha dito por boca de Jeremias, o Senhor tocou o coração de Ciro, rei dos Persas, o qual mandou fazer, por todo o reino, de viva voz e também por escrito, esta proclamação:

23. Eis o que diz Ciro, rei dos Persas: O Senhor Deus do céu pôs nas minhas mãos todos os reinos da terra, e mandou-me que lhe fizesse uma casa em Jerusalém, que está na Judeia. Quem dentre vós pertence ao seu povo? O Senhor seu Deus seja com ele, e vá (para a sua terra).





“De que vale perder-se em vãos temores?” São Padre Pio de Pietrelcina