1. O tabernáculo, fá-lo-ás assim: Farás dez cortinas de linho fino retorcido, de púrpura violácea, de púrpura escarlate e carmesim, sobre as quais serão artisticamente bordados querubins.

2. O comprimento duma cortina será de vinte e oito côvados: a largura será de quatro côvados. Todas as cortinas se farão da mesma medida.

3. Cinco cortinas serão unidas entre si, e outras cinco serão unidas do mesmo modo entre si.

4. Farás umas presilhas de púrpura violácea nos lados e extremidades das cortinas, para que se possam unir umas às outras.

5. Cada cortina terá cinquenta presilhas de cada lado, de tal sorte (dispostas) que uma presilha fique em frente da outra, e possa uma ligar-se com a outra.

6. Farás também cinco argolas de ouro, com as quais se devem juntar os panos das cortinas, para que se forme um só tabernáculo.

7. Farás mais onze cobertas de pêlo de cabras, para cobrir a parte superior do tabernáculo.

8. O comprimento duma coberta será de trinta côvados, e a largura de quatro; será igual a medida de todas as cobertas.

9. Juntarás cinco delas à parte, e unirás entre si as outras seis, de sorte que possas dobrar a sexta por diante do tabernáculo.

10. Farás também cinquenta presilhas na ourela duma coberta, para que possa ligar-se com outra: e cinqüenta presilhas na ourela desta, para que se una com a que lhe corresponde.

11. Farás também cinquenta fivelas de bronze, por meio das quais se unam as presilhas, para que de todas se faça uma só coberta.

12. O que sobejar das cobertas destinadas a cobrir o tabernáculo, que vem a ser uma coberta que há de mais, com metade desta cobrirás a parte de trás do tabernáculo.

13. Ficará pendente um côvado duma parte, e outro doutra, o que sobeja no comprimento das cobertas, para cobrir os dois lados de tabernáculo.

14. Farás mais uma outra coberta para o tabernáculo, de peles de carneiros tintas de vermelho; sobre esta, porás uma outra coberta de peles de cor roxa.

15. Farás também de pau de acácia as tábuas do tabernáculo, que hão-de estar levantadas.

16. Cada uma delas terá dez côvados de comprimento, e côvado e meio de largura.

17. Nos lados de cada tábua far-se-ão dois encaixes, com que cada tábua se una com a outra; deste modo se aparelharão todas as tábuas,

18. vinte das quais estarão ao lado meridional, que olha para o sul.

19. Para elas farás fundir quarenta bases de prata, de sorte que duas bases sejam postas sob cada tábua nos dois ângulos.

20. Estarão também vinte tábuas no segundo lado do tabernáculo, que olha para o aquilão,

21. tendo quarenta bases de prata; serão postas duas bases debaixo de cada tábua.

22. Para o lado ocidental do tabernáculo farás seis tábuas,

23. e, além desta, mais duas, que se levantem nos ângulos do fundo do tabernáculo.

24. (Estas tábuas) estarão unidas desde baixo até cima, e todas encaixadas umas nas outra. A mesma união se observará com as duas tábuas que devem ser postas nos ângulos.

25. Serão oito tábuas ao todo com dezasseis bases de prata, contando-se duas bases para cada tábua.

26. Farás também uns barrotes de pau de acácia, cinco para conter as tábuas dum lado do tabernáculo.

27. e outros cinco para o outro lado, e outros tantos para o lado ocidental,

28. os quais serão aplicados pelo meio das tábuas duma extremidade à outra.

29. Revestirás de ouro as próprias tábuas, e pôr-lhes-ás umas argolas de ouro, pelas quais passem os barrotes, que hão-de segurar as tábuas, e revestirás de ouro os barrotes.

30. Levantarás o tabernáculo conforme o modelo que te foi mostrado no monte.

31. Farás também um véu de cor de jacinto, e de púrpura e de escarlate tinto duas vezes, e de linho fino retorcido, tecido com formosa variedade, figurando querubins.

32. Suspendê-lo-ás de quatro colunas de pau de acácia, que serão revestidas de ouro, terão capiteis de ouro e bases de prata.

33. O véu será suspenso por meio de argolas, e dentro dele porás a arca do testemunho, e por meio dele serão divididos o Santo e o Santo dos Santos.

34. Porás também o propiciatório sobre a arca do testemunho no Santo dos Santos.

35. (Porás) a mesa fora do véu; defronte da mesa, o candeeiro, na parte meridional do tabernáculo; a mesa estará do lado do aquilão.

36. Farás também, para a entrada do tabernáculo, um véu de linho retorcido. cor de jacinto, e de púrpura, e de escarlate tinto duas vezes, trabalhando com desenhos vários.

37. Este véu estará suspenso de cinco colunas de pau de acácia, revestidas de ouro, cujos capiteis Serão de ouro, e as bases de bronze.





“Os corações fortes e generosos não se lamentam, a não ser por grandes motivos e,ainda assim,não permitem que tais motivos penetrem fundo no seu íntimo.(P.e Pio) São Padre Pio de Pietrelcina