1. O Senhor disse a Moisés: Vai ter com Faraó, porque eu endureci o seu coração e o de seus servos, a fim de operar nele os meus prodígios,

2. e para que tu contes a teus filhos e a teus netos quantas vezes feri os Egípcios, e os prodígios que operei no meio deles, e para que vós saibais que eu sou o Senhor.

3. Moisés e Aarão apresentaram-se, pois, a Faraó, e disseram-lhe: O Senhor Deus dos Hebreus diz estas coisas: Até quando recusarás sujeitar-se a mim? Deixa ir o meu povo para que me ofereça sacrifícios.

4. Se ainda resistes, e não o queres deixar ir, amanhã mandarei gafanhotos sobre as tuas terras,

5. os quais cobrirão a superfície da terra, de sorte que dela não apareça nada; será devorado o que escapou do granizo, porque eles roerão todas as plantais que crescem nos campos.

6. Encherão as tuas casas, as dos teus servos, as de todos os Egípcios: nem os teus pais, nem os teus avós viram tanta quantidade, desde que eles nasceram na terra até ao presente. Com isto Moisés voltou-se e saiu da presença de Faraó.

7. Mas os servos de Faraó disseram-lhe: Até quando sofreremos nós este escândalo? Deixa ir estes homens, a fim de que ofereçam sacrifícios ao Senhor seu Deus; não vês que o Egipto está perdido?

8. E tomaram a chamar Moisés e Aarão à presença de Faraó, o qual lhes disse: Ide, oferecei sacrifícios ao Senhor vosso Deus. Quem são os que hão-de ir?

9. Moisés respondeu: Havemos de ir com os nossos meninos, com os nossos velhos, com filhos e filhas, com ovelhas e com gados, porque é uma solenidade do Senhor nosso Deus.

10. Faraó respondeu: Assim seja o Senhor convosco, como eu deixarei ir a vós e aos vossos filhos. Tomai cuidado, pois obrais com más intenções. (ver nota)

11. Não, não; ide somente vós, os homens, e oferecei sacrificios ao Senhor, porque isto é o que vós mesmos pedistes. E, imediatamente, foram expulsos da presença de Faraó.

12. O Senhor disse a Moisés: Estende a tua mão sobre a terra do Egipto, para que venham sobre ela os gafanhotos, a fim de que subam pelo Egipto e devorem toda a erva, tudo o que tenha ficado do granizo.

13. Moisés estendeu a vara sobre a terra do Egipto, e o Senhor mandou um vento abrasador durante todo aquele dia e noite. Quando foi manhã, o vento abrasador havia trazido os gafanhotos

14. que avançaram sobre toda a terra do Egipto, e pousaram em todo o território egipcio, em tão grande número, como nunca antes daquele tempo tinha havido, nem haverá.

15. Cobriram toda a superfície da terra, obscurecendo tudo. Foi devorada a erva da terra, tudo o que havia de frutos nas árvores, que o granizo tinha deixado; não ficou nada de verde nas árvores e nas ervas da terra em todo o Egipto.

16. Pelo que Faraó chamou a toda a pressa Moisés e Aarão, e disse-lhes: pequei contra o Senhor vosso Deus e contra vós,

17. mas agora perdoai-me, ainda esta vez, o meu pecado, e rogai ao Senhor vosso Deus que tire de mim esta morte. (ver nota)

18. Moisés, tendo saído da presença de Faraó, orou ao Senhor,

19. o qual fez soprar do poente um vento fortíssimo que arrebatou os gafanhotos e os lançou no mar Vermelho: não ficou um só em todos os limites do Egipto.

20. O Senhor endureceu o coração de Faraó, e ele não deixou sair os filhos die Israel.

21. O Senhor disse a Moisés: Estende a tua mão para o céu, e haja sobre a terra do Egipto trevas tão espessas, que se possam apalpar. (ver nota)

22. Moisés estendeu a sua mão para o céu, e houve trevas espessas em toda a terra do Egipto durante três dias.

23. Um não via o outro, nem se movia do lugar em que estava: porém, em toda a parte onde habitavam os filhos de Israel, havia luz.

24. Faraó chamou Moisés e Aarão, e disse-lhes: Ide, oferecei sacrifícios ao Senhor; fiquem somente as vossas ovelhas e o vosso gado, os vossos meninos podem ir convosco.

25. Moisés respondeu: Também nos darás o necessário para os sacrifícios e holocaustos que oferecermos ao Senhor nosso Deus.

26. Irão connosco todos os nossos rebanhos; não ficará deles nem uma unha, porque são necessários para o culto do Senhor nosso Deus; nós próprios ignoramos o que se deve imolar, enquanto não chegarmos àquele lugar.

27. Mas o Senhor endureceu o coração de Faraó, que não os quis deixar ir.

28. Faraó disse a Moisés: Aparta-te de mim, e livra-te de me tornares a ver a face; no dia em que me apareceres, morrerás.

29. Moisés respondeu: Assim se fará como disseste: não verei mais a tua face.





"Tente percorrer com toda a simplicidade o caminho de Nosso Senhor e não se aflija inutilmente.” São Padre Pio de Pietrelcina