1. Ouve, pois, Job, as minhas palavras, escuta todos os meus discursos.

2. Eis que abri a minha boca, fale a minha língua sob o meu palato.

3. O meu coração dará palavras sapientes, os meus lábios proferirão palavras claras.

4. O espirito de Deus me fez, e o sopro do Omnipotente me deu a vida.

5. Se podes, responde-me, ergue-te e aguenta-te contra mim.

6. Deus me fez a mim, como a ti, do mesmo barro também eu fui formado.

7. Pelo que nada há de maravilhoso em mim que te espante, e o meu peso não te esmagará.

8. Ora disseste aos meus ouvidos, e ouvi o som destas tuas palavras:

9. "Eu estou limpo e sem pecado; estou sem mácula, em mim não há iniquidade.

10. Deus achou queixas contra mim, por isso me considerou como seu inimigo.

11. Pôs os meus pés no cepo, observou todas as minhas veredas."

12. Nisto pois (ó Job) mostraste que não és justo, porque Deus é maior do que o homem.

13. Por que te queixas dele, pelo facto de não dar razão de tudo o que faz?

14. Deus fala de um modo, fala de outro, mas o homem não o entende.

15. Em sonho, em visão noturna, quando o sono cai sobre os homens, quando estão dormindo no seu leito,

16. então (Deus) abre os ouvidos dos homens, e, com as suas censuras os aterra,

17. para os apartar do mal, para os livrar da soberba,

18. para salvar a sua alma da corrupção, e a sua vida de um fim desastrado.

19. (Deus) corrige também o homem, por meio das dores no seu leito, quando faz que todos os seus ossos se mirrem,

20. Neste estado se lhe torna aborrecido o pão, e o manjar que noutro tempo a sua alma apetecia.

21. Vai-se consumindo a sua carne, e os ossos, que tinham estado cobertos, se descobrem.

22. A sua alma aproximou-se do sepulcro, a sua vida dos horrores da morte.

23. Se houver algum anjo, um entre milhares, que fale a seu favor, que instrua o homem no seu dever,

24. Se compadeça dele e diga: "Livra-o, para que não desça à corrupção; encontrei o resgate (da sua vida)",

25. - a sua carne reverdecerá mais que na juventude, voltará aos dias da adolescência.

26. Ele suplicará a Deus, e Deus se aplacará, mostrar-lhe-à com júbilo a sua face, e dará ao homem o seu direito.

27. Ele se voltará para os (outros) homens e dirá; Pequei, violei a justiça, e não fui castigado como merecia.

28. Deus livrou a minha alma de cair na morte, e a minha vida volta a ver a luz.

29. Ora Deus faz todas estas coisas, duas ou três vezes, em cada homem,

30. para retirar a sua alma da corrupção, e para a esclarecer com a luz dos viventes.

31. Atende, Job, e ouve-me; cala-te, enquanto eu falo.

32. Se contudo tens alguma coisa a dizer, responde-me, fala, porque eu quero dar-te razão.

33. Mas, se nada tens (que responder), ouve-me; cala-te, e eu te ensinarei a sabedoria.





“Você teme um homem,um pobre instrumento nas mãos de Deus, mas não teme a justiça divina?” São Padre Pio de Pietrelcina