1. Noticiaram a Joab que o rei chorava e lamentava o seu filho.

2. A vitória converteu-se em luto naquele dia para todo o povo, porque o povo ouviu dizer naquele dia: O rei chora o seu filho,

3. O povo absteve-se, aquele dia, de entrar na cidade, como costuma abster-se um povo derrotado e que foge da batalha.

4. Mas o rei cobriu a cabeça, e dizia em alta voz: Filho meu Absalão, Absalão filho meu, filho meu!

5. Joab, entrando no quarto onde estava o rei, disse (com a sua costumada altivez): Tu hoje cobriste de confusão todos os teus servos, que salvaram a tua vida, a vida de teus filhos e filhas, a vida de tuas esposas e a vida de tuas mulheres secundárias.

6. Amas os que te aborrecem, e aborreces os que te amam, pois hoje mostraste que se te não dá nem dos teus oficiais nem dos teus criados; na verdade, conheci agora que, se Absalão vivesse, ainda que todos nós tivéssemos morrido, ficarias contente.

7. Agora, pois, levanta-te, sai e fala com o coração a teus servos, porque eu te juro pelo Senhor que, se não saíres, nem sequer um homem ficará contigo esta noite; isto será para ti pior do que todos os males que têm vindo sobre ti desde a tua mocidade até ao presente.

8. O rei levantou-se e sentou-se à porta. Avisou-se todo o povo de que o rei estava sentado à porta, e toda a multidão foi apresentar-se diante do rei. Os de Israel, porém, tinham fugido para as suas tendas.

9. Todo o povo, em todas as tribos de Israel, discutia, dizendo; O rei livrou-nos da mão de nossos inimigos, salvou-nos do poder dos Filisteus, e agora fugiu da sua terra por causa de Absalão.

10. Ora Absalão, a quem tínhamos ungido por nosso rei, morreu na batalha; por que esperais, e não fazeis voltar o rei?

11. O rei Davide mandou dizer aos sacerdotes Sadoc e Abiatar: Falai aos anciães de Judá e dizei-lhes: Por que sois vós os últimos a convidar o rei a ir para sua casa? (Com efeito, tinham chegado ao conhecimento do rei, em sua casa, as palavras de todo o Israel).

12. Vós sois meus Irmãos, o meu osso e a minha carne; por que sois os últimos a fazer voltar o rei?

13. Dizei a Amasa: Não és tu o meu osso e a minha carne? Deus me trate com todo o seu rigor, se eu te não fizer para sempre general do meu exército junto à minha pessoa, em lugar de Joab.

14. (Deste modo) ganhou o coração de todos os de Judá, de maneira que como se fossem um só homem, mandaram dizer ao rei; Volta com todos os teus servos.

15. O rei voltou e chegou até no Jordão, e todos os de Judá vieram até Galgala, para irem ao encontro do rei e o acompanharem na passagem do Jordão.

16. Também Semei, natural de Baurim, filho de Gera, filho de Jemíni, foi a toda a pressa com os de Judá ao encontro do rei Davide,

17. com mil homens de Benjamim, e Siba, servo da casa de Saul, com quinze filhos seus e vinte servos na sua companhia, os quais, metendo-se pelo Jordão diante do rei,

18. passaram o vau, para fazerem atravessar a família do rei e para executarem as suas ordens. Semei, filho de Gera, prostrado diante do rei, quando este já tinha passado o Jordão,

19. disse-lhe: Não castigues, meu senhor, a minha maldade, nem te lembres das injúrias do teu servo, meu rei e senhor, no dia em que saíste de Jerusalém, nem as conserves, ó rei, no teu coração,

20. porque eu, teu servo, conheço o meu pecado, e por isso vim hoje, o primeiro de toda a casa de José, a receber o rei, meu senhor.

21. Respondendo, porém, Abisai, filho de Sarvia, disse: Porventura bastarão estas palavras para Semei não ser morto, depois de ter amaldiçoado o ungido do Senhor?

22. Mas Davide disse: Que tenho eu convosco, ó filhos de Sarvia? Por que vos haveis de opor, hoje, a mim? Então há-de, neste dia, tirar-se a vida a um israelita? Ignoro eu porventura que hoje fui feito rei sobre Israel?

23. E o rei disse a Semei: Não morrerás. E assim lho jurou.

24. Veio Mifiboset, filho de Saul, receber o rei. Não havia lavado os pés nem feito a barba, nem lavado vestes desde o dia em que o rei tinha saído, até ao dia da sua volta em paz.

25. Vindo ao encontro do rei em Jerusalém , o rei disse-lhe: Mifiboset, por que não foste tu comigo?

26. Ele respondeu-lhe: Meu rei e senhor, o meu criado enganou-me porque eu, teu servo, disse-lhe que me aparelhasse um jumento para montar nele, e ir com o rei, pois eu, teu servo, sou coxo.

27. Ele, além disto, acusou-me a mim, teu servo, diante de ti, meu rei e senhor, mas tu, meu rei e senhor, és como um anjo de Deus: faze o que bem te parecer.

28. A casa de meu pai não mereceu do rei, meu senhor, senão a morte; porém tu me puseste a mim, teu servo, entre os que comem à tua mesa; de que poderei eu, pois, queixar-me com justiça? como poderei eu importunar mais o rei (com pedido)?

29. O rei disse-lhe: Para que tantas palavras? O que eu mandei, há-de subsistir; tu e Siba reparti as terras.

30. Mifiboset respondeu ao rei: Fique ele muito embora com tudo, uma vez que o rei, meu senhor, voltou em paz a sua casa.

31. Também Berzelai de Galaad, tendo vindo de Rogelim acompanhou o rei na passagem do Jordão, pronto a segui-lo ainda da outra banda do rio.

32. Berzelai de Galaad era muito velho, isto é, de oitenta anos, e tinha provido o rei de víveres, quando estava em Maanaim, porque era um homem muito rico.

33. O rei disse a Berzelai: Vem comigo, para viveres em minha companhia, descansado, em Jerusalém

34. Mas Berzelai disse ao rei: Quantos anos me restam de vida, para subir com o rei a Jerusalém?

35. Tenho hoje oitenta anos. Porventura ainda posso discernir entre o bom e o mau? Pode o teu servo perceber sabor no que come e no que bebe? Posso ouvir ainda a voz dos cantores e das cantoras? Por que há-de o teu servo servir de peso ao rei, meu senhor?

36. Eu, teu servo, acompanhar-te-ei ainda um pouco da outra banda do Jordáo. E por que me há-de conceder o rei tal recompensa?

37. Rogo-te que permitas a mim, teu servo, voltar e morrer na minha cidade, e ser sepultado junto do sepulcro de meu pai e de minha mãe. Aqui está Camaam (meu filho e) teu servo; vá ele contigo, ó meu rei e senhor, e faze dele o que for mais do teu agrado.

38. O rei disse-lhe: Venha comigo Camaam, que eu lhe farei tudo o que quiseres, e conceder-te-ei tudo o que me pedires.

39. Quando todo o povo e o rei acabaram de passar o Jordão, o rei beijou Berzelai e abençoou-o, e ele voltou para sua casa.

40. Passou então o rei a Galgala, e a Camaam com ele. Ora todo o povo de Judá tinha acompanhado o rei ao passar do rio, mas só se tinha encontrado ali metade do povo de Israel

41. Por isso todos os de Israel, acudindo juntos ao rei, disseram-lhe: Por que se apoderaram de ti os nossos irmãos, os homens de Judá, e fizeram passar o Jordão o rei e toda a gente de Davide com ele? (ver nota)

42. E todos os homens de Judá responderam aos homens de Israel: É porque o rei nos toca a nós mais de perto; por que vos irais por isso? Porventura comemos nós alguma coisa do rei, ou foram-nos dados alguns presentes?

43. Respondendo os homens de Israel aos de Judá, disseram: Nós somos dez vezes mais do que vós para servir o rei, por isso Davide pertence mais a nós do que a vós; por que nos fizestes este agravo, e não fomos avisados antes, para fazermos voltar o nosso rei? Porém, os homens de Judá responderam mais duramente ainda que os de Israel.





“Subamos sem nos cansarmos, sob a celeste vista do Salvador. Distanciemo-nos das afeições terrenas. Despojemo-nos do homem velho e vistamo-nos do homem novo. Aspiremos à felicidade que nos está reservada.” São Padre Pio de Pietrelcina