1. Senhor falou a Moisés dizendo:

2. Manda aos filhos de Israel que deitem fora do acampamento todo o leproso, todo o que padece gonorreia, todo o que está imundo por ter tocado num morto;

3. tanto homem como mulher lançai-os fora do campo, para que o não manchem, habitando eu convosco.

4. Os filhos de Israel fizeram assim, lançaram-nos fora do campo, como o Senhor tinha dito a Moisés.

5. O Senhor falou a Moisés, dizendo:

6. Dize aos filhos de Israel: Se um homem ou uma mulher tiverem cometido algum dos pecados que prejudicam o próximo, prevaricando contra o Senhor,

7. confessará o seu pecado, restituirá o devido, com um quinto a mais, àquele contra quem tiver pecado.

8. Se, porém, não houver quem o receba, dá-lo-à ao Senhor, e pertencerá ao sacerdote, além do carneiro, que é oferecido por expiação pelo culpado.

9. Todas as primícias que os filhos de Israel oferecerem pertencem também ao sacerdote;

10. tudo o que é consagrado, ao sacerdote pertence; tudo o que se entrega nas mãos do sacerdote, será dele.

11. O Senhor falou a Moisés, dizendo:

12. Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: O homem cuja mulher for infiel,

13. dormindo com outro homem, se o marido não puder prová-lo, por o adultério estar oculto e sem testemunhas, porque ela não foi apanhada no crime,

14. se o espírito dos zelos excita o homem contra sua mulher, por estar manchada, ou por parecer que está,

15. ele a levará ao sacerdote, e oferecerá por ela a décima parte do efa de farinha de cevada: não derramará sobre ela azeite, nem porá incenso, porque é um sacrifício de zelos, e uma oblação para descobrir o adultério.

16. O sacerdote a mandará aproximar (do altar) e a fará estar de pé diante do Senhor.

17. Tomará água santa, num vaso de barro, e lançará nela um pouco de pó do pavimento do tabernáculo.

18. Estando a mulher de pé diante do Senhor, (o sacerdote) lhe descobrirá a cabeça, e lhe porá nas mãos a oblação de recordação: é uma oferta de zelos. O sacerdote terá (na mão) as águas amargas que levam maldição.

19. Esconjurará a mulher e lhe dirá: Se nenhum homem estranho dormiu contigo, e tu não te manchaste abandonando o leito de teu marido, não te farão mal estas águas amargas sobre que eu acumulei maldições.

20. Mas, se tu te apartaste de teu marido, e te manchaste, dormindo com outro homem,

21. cairão sobre ti estas maldições. O Senhor te faça um objecto de maldição e de execração para todos no teu povo; faça emagrecer os teus flancos e inchar o teu ventre.

22. Estas águas malditas entrem no teu ventre, fazendo-to inchar e emagrecer os teus flancos. A mulher responderá: Assim seja, assim seja.

23. O sacerdote escreverá num livro estas maldições, e depois as apagará com estas águas amargas que ele cumulou de maldições, (ver nota)

24. e lhe dará a beber (aquelas águas). Depois que ela as tiver bebido,

25. o sacerdote tomará da mão da mulher a oblação de zelos, levantá-la-á diante do Senhor, pô-la-á em cima do altar; antes

26. tomará um punhado desta oblação e o queimará sobre o altar; depois disto, dará a beber à mulher as águas amargas.

27. Depois que ela as tiver bebido, se está culpada, se, desprezado o marido, pecou por adultério, penetrá-la-ão as águas da maldição, farão inchar o seu ventre, emagrecerão os seus flancos, e aquela mulher será objecto de maldição no meio do seu povo.

28. Se, porém, não está manchada, não sofrerá mal algum, e terá filhos.

29. Esta é a lei dos zelos. Se uma mulher se retirar de seu marido, e se manchar,

30. e o marido, possuído do espírito de zelos, a apresentar diante do Senhor, e o sacerdote fizer com ela tudo o que fica escrito.

31. o marido será sem culpa, e a mulher pagará a sua maldade.





“Comunguemos com santo temor e com grande amor.” São Padre Pio de Pietrelcina