1. Ao mestre do coro. Segundo a melodia de "Não destruas"... De Davide. Miktãm.

2. Porventura, ó poderosos, fazeis verdadeiramente justiça? Porventura, ó filhos dos homens, é com rectidão que julgais?

3. Ao contrário, vós cometeis iniquidades no coração, e as vossas mãos espalham injustiças na terra.

4. Extraviaram-se os ímpios desde o seio materno, erraram, desde o seu nascimento, os que falam mentira.

5. Têm um veneno semelhante ao veneno das serpentes, ao veneno do áspide (que se faz) surdo, que fecha os seus ouvidos, (ver nota)

6. para não ouvir a voz dos encantadores, do encantador que encanta com mestria.

7. Ó Deus, quebrai-lhes os dentes na sua própria boca; ó Senhor, quebra as queixadas desses leões. (ver nota)

8. Desapareçam, como as águas que correm; se atirarem as suas setas, que fiquem embotadas.

9. Passem como a lesma que se vai dissolvendo, como aborto de mulher, que não viu o sol.

10. Antes que as vossas panelas se aqueçam ao fogo do espinheiro verde, sejam eles arrebatados pelo vendaval.

11. Alegrar-se-à o justo ao ver a vingança : lavará os seus pés no sangue do ímpio.

12. E os homens dirão: "Deveras há recompensa para o justo, deveras há um Deus que julga sobre a terra."





“É necessário manter o coração aberto para o Céu e aguardar, de lá, o celeste orvalho.” São Padre Pio de Pietrelcina